Lançamento de Campanha de vacinação contra aftosa marca Encontro de Criadores de Pastos Bons

O Lançamento da campanha de vacinação fez parte do 4º Encontro de Criadores e Produtores de Pastos Bons.

O Lançamento da campanha de vacinação fez parte do 4º Encontro de Criadores e Produtores de Pastos Bons.

Para ressaltar a importância da prevenção da febre aftosa e outras doenças animais que impactam diretamente na agropecuária, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), por meio da Unidade Regional São João dos Patos, participou, no dia 11, do 4.º Encontro dos Criadores e Produtores de Pastos Bons, promovido pela Prefeitura Municipal em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e o Sebrae, na Fazenda Caraíbas.

Na ocasião, com a presença de cerca de 100 produtores, foi lançada oficialmente a II Etapa da Campanha de Vacinação contra febre aftosa na região, com palestras sobre febre aftosa e brucelose. “Acredito que o evento contribuiu mais uma vez para a sensibilização dos criadores sobre a importância de realizar a vacinação dos seus rebanhos contra a febre aftosa e de comprovar no escritório da Aged”, avaliou a chefe da Unidade Regional São João dos Patos, Waldívia Dias Oliveira.

Nesta II Etapa, todos os produtores maranhenses devem vacinar seu rebanho bovino e bubalino de 01 a 30 de novembro e comprovar no escritório da Aged onde sua propriedade está cadastrada. Na Regional São João dos Patos, a expectativa é de que mais de 330 mil animais sejam vacinados.

Durante a I Etapa, realizada em maio, a mesma região imunizou 322.784 bovinos e bubalino e alcançou um índice vacinal de 97,8%. Em novembro, a Unidade Regional espera alcançar índice superior.

Benzoato de Emamectina na mira: fiscalização percorre mais de 25 propriedades em nove municípios

Os fiscais agropecuários de Balsas, São João dos Patos, Viana e São Luís inspecionaram 27 propriedades rurais.

Os fiscais agropecuários de Balsas, São João dos Patos, Viana e São Luís inspecionaram 27 propriedades rurais.

Com o objetivo de verificar o uso de agrotóxicos no estado, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) fiscalizou propriedades rurais em 9 municípios maranhenses, entre os dias 13 e 17. Durante as operações, que visavam, principalmente, inspecionar o uso do inseticida Benzoato de Emamectina, seis fazendas foram autuadas, totalizando aproximadamente R$ 30 mil reais em multas, por armazenamento e destinação inadequada de embalagens vazias de agrotóxicos.

Desde 2014, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) decretou estado de emergência fitossanitária, relativo ao risco de surto da praga Helicoverpa Armigera, no Maranhão. Em virtude disso, a Portaria Nº 232/2015 autoriza o uso temporário do Benzoato de Emamectina, um inseticida que não tem registro no Brasil, para a contenção da praga. No entanto, a aplicação só pode ser realizada com a autorização da Aged.

Também é competência da Agência, fiscalizar o estoque do produto em depósitos, sua comercialização e a destinação adequada das embalagens utilizadas. “Definimos como prioridade de nossas ações em relação aos agrotóxicos a fiscalização do Benzoato, tendo em vista a excepcionalidade de sua aplicação em situação de emergência fitossanitária. Isso é feito devido aos riscos que esse produto representa para o meio ambiente e para a saúde da população”, explica o diretor de Defesa e Inspeção Vegetal da Aged, Roberval Raposo Júnior.

Nas ações nos municípios de Nova Iorque, Passagem França, São João dos Patos, Colinas, Mirador, Sucupira do Norte, Jatobá, São Domingos do Azeitão e Pastos Bons, foram encontrados 142 kg do inseticida em uma propriedade rural, mas o produtor possuía a documentação necessária e o produto era homologado Agência. “Esse trabalho é uma força tarefa em busca de Benzoato ilegal em propriedades rurais das regiões produtoras de grãos”, complementa Roberval.

Uso de agrotóxicos

Durante a semana, fiscais agropecuários da sede da Agência, bem como das Unidades Regionais Balsas, São João dos Patos e Viana, conduziram ações em 27 propriedades rurais, identificando diversos problemas relacionados ao uso, estocagem e destinação de embalagens vazias de agrotóxicos. “Encontramos armazenamento inadequado de todas as formas, mas essa foi a primeira vez que encontramos agrotóxicos até em um freezer”, comenta o chefe da Regional Balsas, Eugênio Pires.

Das seis propriedades autuadas, duas foram penalizadas pelo armazenamento de embalagens vazias em desacordo com as orientações do fabricante. “Isso acontece quando as embalagens são jogadas no pátio da fazenda, a céu aberto, sem tríplice lavagem e perfuração do fundo”, explica Eugênio. Quatro outras propriedades foram autuadas por não praticarem o armazenamento exclusivo dos defensivos agrícolas, separados de qualquer outro equipamento, em local coberto e protegido.

Criadores de Passagem Franca participam de audiência pública sobre vacinação contra aftosa

audiencia-passagem-francaNa terça (11), a Promotoria Pública de Passagem Franca, em parceria com a Unidade Regional de São João dos Patos da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), promoveu uma audiência pública, na Câmara dos Vereadores do município, para divulgar a 1ª Etapa da Campanha de Vacinação contra Febre Aftosa.

Na ocasião, o promotor Carlos Allan da Costa Siqueira, responsável pelo evento, destacou o papel do Ministério Público nas ações de interesse à saúde pública e segurança alimentar. Coube à Aged, falar sobre a campanha, tirar dúvidas sobre cadastro e comprovação de vacinação, bem como alertar sobre as penalidades aos inadimplentes. “A audiência foi organizada devido ao fato de o município de Passagem Franca não ter alcançado uma cobertura vacinal superior a 90% na 2ª etapa da Campanha de 2015”, explicou a chefe da regional, Waldívia Oliveira.

O evento reuniu um público de 54 pessoas, entre criadores, proprietários de revendas de veterinárias, estudantes e autoridades, com o prefeito José Antonio Gordinho, vereadores, representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Passagem Franca e da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural (Agerp). “Acredito que tenhamos fornecido informações suficientes aos produtores, bem como aproximado a Aged dos problemas peculiares do nosso município. Ademais, a contribuição maior é a tutela da saúde pública e a segurança alimentar da população local”, defendeu o promotor.