Municípios Mais IDH recebem ação inédita para prevenção de brucelose

De 23 a 25, criadores e tratadores de gado de Lagoa Grande receberam treinamento para vacinar bezerras contra brucelose.

De 23 a 25, criadores e tratadores de gado de Lagoa Grande receberam treinamento para vacinar bezerras contra brucelose.

Para avançar no controle da brucelose bovina no Maranhão e garantir uma produção leiteira livre das bactérias Brucella abortus, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) está promovendo, pela primeira vez, a capacitação de vacinadores contra brucelose e o dia “D” de vacinação contra a doença nos três municípios do programa Mais IDH, situados na Unidade Regional de Pedreiras.

De 23 de agosto a 03 de setembro, quase 400 bezerras de 3 a 8 meses de idade serão vacinadas, por meio de uma parceria com a Secretaria de Indústria e Comércio (Seinc), responsável pela doação das vacinas, com as Prefeituras Municipais, Câmaras de Vereadores e Sindicados de Lagoa Grande, São Roberto e São Raimundo do Doca Bezerra.

De acordo com o presidente da Aged, Sebastião Anchieta, a expectativa é de que a ação nos municípios de Lagoa Grande do Maranhão, São Roberto e São Raimundo do Doca Bezerra sirva como um projeto piloto para que a mesma iniciativa seja repetida nos outros 27 municípios do programa Mais IDH.

“Desde que o governador Flávio Dino lançou o programa Mais IDH, nós nos preocupamos em contribuir com ele, já que visa a beneficiar os menos favorecidos no Maranhão. Esse programa de treinamento de vacinadores contra brucelose é justamente para apoiar os pequenos criadores para que eles possam vacinar suas bezerras”, destaca.

O chefe da Regional Pedreiras da Aged, Robert Ferreira Carvalho, conta que a ação foi concebida tendo em vista a carência de mão de obra qualificada para realizar esta atividade junto aos pequenos criadores. “Esta enfermidade é responsável por enormes perdas econômicas para a pecuária e por agravos à saúde pública. Segundo a Organização Mundial de Saúde é uma zoonose subdiagnosticada e subnotificada em humanos”, alerta o veterinário.

A brucelose é uma doença contagiosa que acomete principalmente o sistema reprodutivo de bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e outros. Além de estar relacionada com a diminuição da produção de carne e leite, abortos e nascimento de crias fracas, ela é considerada uma zoonose, isto é, uma enfermidade que também pode ser transmitida ao homem.

A infecção ocorre quando se entra em contato direto com animais doentes ou se ingere leite não pasteurizado, produtos lácteos contaminados (queijo e manteiga, por exemplo) e carne mal passada. As chances adquirir a doença são ainda maiores em meio aos tratadores de animais. “Quando a gente faz o treinamento para vacinadores, nós focamos bem na importância do uso dos EPIs e de alguns cuidados, como forma de proteger o vacinador para que ele não pegue brucelose, visto que a vacina é com a bactéria viva. Por isso, a vacinação da brucelose é diferenciada”, explica a veterinária da Aged Ana Cláudia Costa.

Riachão recebe curso para capacitação de vacinadores contra brucelose

Participantes da capacitação oferecida pelas veterinárias do PNCEBT do Maranhão, Adriana Prazeres e Ana Cláudia Costa.

Participantes da capacitação oferecida pelas veterinárias do PNCEBT do Maranhão, Adriana Prazeres e Ana Cláudia Costa.

Com um rebanho de mais de 100 mil bovinos e bubalinos, voltado especialmente para a exploração leiteira, o município de Riachão recebeu, nos dias 09 e 10, um curso para capacitação de vacinadores contra brucelose por meio de uma parceria entre a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) e a Secretaria de Agricultura do município.

“O curso foi realizado em virtude de uma solicitação. da Secretaria de Agricultura de Riachão, que indicava a ausência de vacinadores na região e a necessidade de se conscientizar os produtores que vendiam leite para laticínios da região”, explica a responsável pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) na Aged, Adriana Prazeres.

Enfermidade diagnosticada mundialmente, a Brucelose acomete diversas espécies de animais e também pode ser transmitida ao ser humano. Considerada uma doença da esfera reprodutiva, que ocasiona abortamento, nascimento de crias fracas e infertilidade, ela causa sérios prejuízos socioeconômicos à população e interfere diretamente na produção leiteira.

Ao fim dos dois dias de treinamento, 24 pessoas foram capacitadas para atuar como auxiliares de veterinários cadastrados no PNCEBT e realizar a vacinação contra a doença. Como consequência do curso, ainda, 38 bezerras, entre 3 a 8 meses, foram vacinadas. “Esperamos que, após a realização do curso, os envolvidos possam contribuir com o aumento do índice vacinal no estado do Maranhão, com a redução da prevalência desta enfermidade nos animais e da incidência em humanos”, defendeu Adriana.

Curso de habilitação de veterinários para diagnóstico de brucelose e tuberculose recebe apoio da Aged

curso-treinamento1

Com o intuito de contribuir para a habilitação de médicos veterinários no diagnóstico e controle da brucelose e tuberculose, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) participará do XVII Curso de Treinamento e Habilitação em métodos de diagnóstico e controle da brucelose e tuberculose animal e noções básicas em encefalopatia espongiforme transmissível da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), que acontece de 15 a 19 de agosto.

O curso é uma das ações do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT), que selecionou as universidades responsáveis por habilitar médicos veterinários. “A Uema, como todas as universidades que são responsáveis pela oferta desse curso, cuida da parte didática, teórica e prática, com o objetivo de levar a habilitação técnica a esses veterinários. O curso é pré-requisito para que ele seja habilitado a fazer o diagnóstico de brucelose e tuberculose”, explica o coordenador do curso, Hamilton Pereira Santos.

O treinamento, que está em sua 17ª edição, ocorre de acordo com a demanda dos próprios veterinários. Atualmente, essas zoonoses, que são de interesse nas regiões de bacia leiteira, têm recebido maior destaque como consequência da exportação de gado vivo pelo Maranhão e da ampliação da promoção do PNCEBT no estado.

A habilitação é o primeiro passo para que o médico veterinário possa se cadastrar junto ao Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e à Aged para vacinar bezerras de 03 a 08 meses contra brucelose e atuar no controle dessas doenças.

Serviço:

Evento: XVII Curso de Treinamento e Habilitação em métodos de diagnóstico e controle da brucelose e tuberculose animal e noções básicas em encefalopatia espongiforme transmissível.

Quando: 15 a 19 de agosto

Onde: Curso de Medicina Veterinária da Uema – Campus São Luís.

Investimento: R$ 700,00 reais

Contatos: (98) 3218 8438 – 981550761.

Produtores de leite de Imperatriz recebem instruções para prevenção de doenças

Uma palestra sobre brucelose e tuberculose também foi oferecida para estudantes no Espaço de Todos Nós, na quinta (07).

Uma palestra sobre brucelose e tuberculose também foi oferecida para estudantes no Espaço de Todos Nós, na quinta (07).

Como parte das ações de educação sanitária da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) na 48ª edição da Exposição Agropecuária de Imperatriz (Expoimp), produtores de leite participarão de palestra sobre o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) no sábado, 09, a partir das 9h. O encontro faz parte da programação especial da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) dedicada à cadeia produtiva do leite.

Segundo a palestrante e responsável pelo Programa na Aged, Adriana Prazeres, o objetivo do encontro é informar os aspectos gerais das enfermidades e a importância das medidas de controle e prevenção. Aspectos econômicos, saúde pública, vacinação de bezerras entre 3 e 8 meses de idade, realização de testes de brucelose e tuberculose, trânsito de animais e certificação das propriedades serão alguns dos temas abordados.

“A realização desse momento com os produtores de leite é de fundamental importância, pois, os aspectos abordados contribuem para a melhoria do controle sanitário dessas enfermidades, promovendo saneamento do rebanho, aumento da produtividade e competitividade”, defende a fiscal.

Em maio deste ano, a Unidade Regional Imperatriz da Aged recebeu uma visita de supervisão do PNCEBT, durante a qual foram realizados treinamentos de fiscais agropecuários e médicos veterinários, e fiscalizações em laboratórios de diagnóstico, casas agropecuárias revendedoras de vacinas e propriedades rurais. De acordo com Adriana Prazeres, esta nova visita à Imperatriz permitirá o acompanhamento das atividades de controle das doenças na região tocantina.

Cadeia produtiva do leite

Além da apresentação da Aged, no sábado, o auditório da Expoimp terá programação especialmente voltada para a cadeia produtiva do leite, que incluirá a apresentação das ações previstas e em andamento pelo Programa Mais Produção na Região Tocantina e do Médio Mearim, e um Curso de Mamite, ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Povoados de Primeira Cruz recebem força tarefa de vacinação contra brucelose e tuberculinização de bovinos

Fiscal agropecuária aplica vacinação em bezerra. Ao todo, 21 bezerras entre 3 e 8 meses foram imunizadas contra brucelose.

Fiscal agropecuária aplica vacinação em bezerra. Ao todo, 21 bezerras entre 3 e 8 meses foram imunizadas contra brucelose.

Como parte das ações do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) no Maranhão, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged) realizou uma ação de vigilância ativa e vacinação contra brucelose em Primeira Cruz. A iniciativa consistiu na primeira ação voltada para o controle das doenças no município, que integra o programa Mais IDH do governo estadual.

Entre os dias 20 e 24, fiscais agropecuários da sede e da Unidade Regional Rosário da Aged estiveram nos povoados Mairi e Campo Novo em uma força tarefa para testar bovinos para tuberculose, vacinar bezerras contra brucelose e orientar os criadores da região sobre essas doenças, que podem ser transmitidas dos animais ao homem (zoonoses). “Um dos nossos fiscais solicitou uma vigilância ativa, por suspeitar que um animal da região estivesse com tuberculose. Realizamos o teste de tuberculização em 36 bovinos e o resultado deu negativo em todos os animais testados”, esclarece a fiscal agropecuária do PNCEBT, Ana Cláudia Costa.

A ação resultou ainda na imunização, pela primeira vez, de mais de 20 bezerras contra brucelose. De acordo com a coordenadora do programa, Adriana Prazeres, esse tipo de iniciativa eleva o índice vacinal do estado e dá a assistência necessária aos municípios onde existe carência de médicos veterinários autônomos.

A força tarefa envolveu quatro médicos veterinários, um técnico de fiscalização agropecuária e um auxiliar de campo. “O fato de a equipe ter ficado por uma semana inteira entre os povoados Mairi e Campo Novo propiciou um contato intenso com os produtores da região. Tivemos a oportunidade de executar e orientar os criadores a respeito de outros programas também. Acredito que, para regiões como aquela, com um dos trinta menores IDH do estado, ações com duração maior rendem melhores resultados”, destacou o chefe da Unidade Regional Rosário, Marcelo Falcão.

Intensificação da vigilância

Desde abril deste ano, a Aged iniciou um projeto de intensificação do PNCEBT. As supervisões, que já percorreram Balsas, Açailândia e Imperatriz, ainda fiscalizarão propriedades rurais, casas agrícolas e revendedoras de vacinas de brucelose, e capacitarão médicos veterinários para atuarem na prevenção dessas doenças nas demais Unidades Regionais da Agência.

Brucelose e tuberculose recebem nova atenção da defesa agropecuária do Maranhão

Veterinários habilitados pelo programa recebem novas orientações, em Imperatriz.

Veterinários habilitados pelo programa recebem novas orientações, em Imperatriz.

De 09 a 13, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) está intensificando as ações voltadas para brucelose e tuberculose em bovinos e bubalinos, por meio da supervisão das medidas de controle, diagnóstico e prevenção dessas doenças na Unidade Regional da Agência em Açailândia. De 02 a 06, o mesmo trabalho foi realizado em Imperatriz.

As supervisões do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT), que devem acontecer em 8 Unidades Regionais da Agência até agosto, fazem parte das iniciativas do governo estadual para fortalecer a defesa agropecuária. “Pela avaliação do rebanho que foi feito no estado em 2015, a prevalência da brucelose no Maranhão é alta. Um estudo feito em 2012-2014 apresenta de 0,5% a 0,9% como máximo de prevalência encontrada. Nós estamos com 17,52%, equivale a mais de 16x aquele valor que tínhamos anteriormente”, alertou o fiscal agropecuário Lauro Queiroz.

Durante as supervisões, foram realizados treinamentos de fiscais agropecuários e médicos veterinários, com o intuito de disciplinar as ações de combate às doenças. Também foram inspecionados laboratórios de diagnóstico, casas agropecuárias revendedoras de vacinas e propriedades rurais. “Em Imperatriz e Açailândia, temos identificado alguns problemas administrativos e de infração da legislação por médicos veterinários autônomos. Daí a importância do contato maior entre Central e Unidades Regionais para padronizar nossas ações”, explicou a responsável pelo PNCEBT na Aged, Adriana Prazeres.

Vacinação e diagnóstico

Tabela MatériaA vacinação contra brucelose é obrigatória em fêmeas de bovinos e bubalinos entre 3 e 8 meses de idade. No estado, de 2008 a 2014, a cobertura vacinal contra a doença passou de 4.615 fêmeas para 240.616. Já em 2015, o número de fêmeas vacinadas foi de 150.656. Para alargar esse número, a Aged tem aproveitado a campanha de vacinação contra febre aftosa para chamar a atenção para esta outra doença.

No caso da tuberculose, o controle é feito via diagnóstico. O laboratório Servet, em Imperatriz, esteve entre os estabelecimentos supervisionados nesta ação. “A estrutura do laboratório é muito bacana e estava totalmente dentro do que preconiza a legislação”, elogiou Adriana.

 

Aged reforça ações para controle e erradicação da Brucelose e Tuberculose

insp-pncebt-balsas

Equipe durante inspeção em Casa Agropecuária

Às vésperas da campanha nacional de vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa – que acontece durante os meses de maio e novembro – a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) dá início às supervisões do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose Tuberculose (PNCEBT) em suas 18 Unidades Regionais.

De 11 a 14, as fiscais estaduais agropecuárias Adriana Prazeres e Amélia Soraya estiveram em Balsas, onde inspecionaram casas agropecuárias, laboratórios e propriedades de criação de gado. Além disso, elas realizaram reuniões técnicas com as equipes das Unidades Locais e ofereceram treinamento de vacinação contra brucelose para veterinários.

 

O objetivo da supervisão é atualizar fiscais, médicos veterinários e revendedores de vacinas quanto às legislações regulamentadas pelo PNCEBT. Diferentemente da febre aftosa, por exemplo, a vacinação contra brucelose, que é obrigatória em fêmeas de 3 a 8 meses de idade, só pode ser administrada por um médico veterinário cadastrado junto à Aged. “Nós estamos, primeiro, fazendo a capacitação dos médicos veterinários autônomos que atuam no estado para que possamos desenvolver melhor esse programa. Essa é uma meta tanto do governo federal quanto nossa, aqui, no Maranhão”, declarou o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

Nas vistorias realizadas em Balsas, a equipe da Aged não encontrou irregularidades. “Foram fiscalizadas três casas agropecuárias que se encontravam dentro dos padrões preconizados pela legislação”, garantiu a fiscal Adriana Prazeres.

Fiscalização de vacinas em balsas

Fiscalização de vacinas em balsas

Mais atentos

Além de comprometerem a saúde do gado, reduzindo a produtividade, causando perda de peso e outros prejuízos, a brucelose e a tuberculose são zoonoses, ou seja, doenças que atacam os animais, mas também podem ser transmitidas ao homem. “Nós temos que ter muito cuidado com elas. Então, há o Programa do Ministério da Agricultura para realizar esse controle e, esse ano, nós vamos aproveitar a campanha contra a aftosa e fazer esse trabalho conjunto”, explicou o presidente da Aged.