Governo do Maranhão registra matadouro que fornecerá carne inspecionada para 12 municípios

Sub-secretario de Agricultura, Pecuária e Pesca, Edjahilson Souza, empresário Élcio Alves, presidente da Aged, Sebastião Anchieta, e secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo

Sub-secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Edjahilson Souza, empresário Élcio Alves de Oliveira, presidente da Aged, Sebastião Anchieta, e secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, exibem o modelo do selo que constará nas embalagens da carne do G-Boi.

O Governo do Estado, por meio das secretarias de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e de Indústria e Comércio (Seinc) e da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged), oficializaram, na terça-feira (06), o registro do matadouro G-Boi, do empresário Élcio Alves de Oliveira, no município de São Bernardo, junto ao Serviço de Inspeção Estadual (SIE). O estabelecimento, que possui capacidade para o abate diário de quase 100 cabeças de gado, garantirá até 15 toneladas de carne certificada por dia para a região do Baixo Parnaíba.

“Nós já estamos no ramo da carne há 26 anos. Como não tínhamos a estrutura adequada para a capacidade que produzíamos, fomos forçados pelo Ministério Público a fazer algo para sair do clandestino, para realmente mudar a forma do abate e oferecer um produto com qualidade”, contou o empresário. Após três anos de reforma, com consultoria especializada do Sebrae e investimento de R$ 4,6 milhões, o matadouro G-Boi é um dos mais modernos do estado e deve abastecer 12 municípios.

“O governo do estado cumpre o seu papel, em parceria com um empreendimento privado da maior importância, de levar segurança sanitária ao alimento consumido na região. Além disso, vamos formalizar empregos, com os empregos diretos do G-Boi e com os pequenos negócios que são alimentados pela carne bovina produzida nesse estabelecimento”, declarou o secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo.

O secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, também comemorou a registro e ressaltou a importância da parceria privada para a execução do Programa de Matadouros Regionais (Promar). “O matadouro G-Boi vai complementar as ações do governo em relação aos matadouros regionais. Essa parceria dos matadouros públicos e privados é que vai fazer com que o Maranhão, dentro de pouco tempo, tenha uma carne inspecionada e com condições sanitárias para ser comercializada, garantindo mais saúde para a nossa população”, enfatizou.

Serviço de Inspeção Estadual

De acordo com a legislação brasileira, todo estabelecimento que produz alimentos de origem animal deve estar registrado em um serviço de inspeção oficial, seja municipal, estadual ou federal. O SIE é o registro que garante que o produto obedece a todas as normas sanitárias para ser comercializado dentro do estado e pode ser identificado, nas embalagens, por um selo com o nome do Maranhão e um número de registro.

Com a finalidade de regularizar seu estabelecimento, Élcio Alves de Oliveira solicitou o registro do matadouro na Aged em 2013. Em 2015, o projeto de reforma foi aprovado e as obras foram iniciadas. Após a vistoria final, o estabelecimento está pronto para funcionar atendendo todas as exigências higiênico-sanitárias.

Com a expedição desse título de registro, ele passa a ser o segundo matadouro fiscalizado pela Aged. “Daqui pra frente, a Aged atuará com fiscalizações de rotina, em parceria com o responsável técnico do matadouro. Acreditamos que esse estabelecimento servirá de referência para mostrar nosso trabalho aos outros empreendedores que quiserem investir no ramo”, explica o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

Sistema de Inspeção Estadual recebe aperfeiçoamento de vigilância de doenças em matadouros

Fiscais agropecuários durante treinamento de colheita de amostras.

Fiscais agropecuários durante treinamento de colheita de amostras.

Tendo em vista o projeto de matadouros regionalizados do governo estadual, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) iniciou a atualização dos técnicos do Serviço de Inspeção Estadual (SIE). Nos dias 22 e 23, três inspetores estaduais foram capacitados para atuar na colheita e vigilância de Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis (EET) nos estabelecimentos de abate.

Para atender o matadouro de Axixá, que já conta com o SIE, e o de São Bernardo, cujo registro está em vias de análise, a Aged, por meio dos programas nacionais de Prevenção e Vigilância da Encefalopatia Espongiforme Bovina (PNEEB) e de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), ofereceu, pela primeira vez, treinamento para colheita de amostras que servirão para a vigilância da doença da vaca louca e outras EET. “Atualmente, este procedimento só existe, no estado, nos matadouros registrados no Serviço de Inspeção Federal. Com a implantação de mais estabelecimentos de abate estaduais, vamos inclui-lo em nossa rotina de inspeção”, esclarece a fiscal agropecuária Sonivalde Santana.

As ETT são doenças neurodegenerativas, causadas pelo acúmulo de uma proteína anormal, que acometem gravemente toda a estrutura do sistema nervoso central. Dentre as mais famosas, está a encefalopatia espongiforme bovina (EEB), mais conhecida como a doença da vaca louca. “No Brasil, o risco de EEB tem status de insignificante. Nunca tivemos um caso da EEB clássica no país. No entanto, o exame é feito para comprovar que não temos e para não deixar que isso aconteça. É bom porque ganhamos mercado”, destaca a responsável pelo PNEEB na Aged, Giselle Mesquita.

Matadouros estaduais

Em dezembro de 2015, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) anunciou a construção de cinco matadouros mistos regionais, com capacidade de abate de até 100 animais/dia.

Os matadouros serão construídos nas regiões de Timbiras, Pindaré, Pré-Amazônia, Médio Mearim e Baixo Turi e devem beneficiar 1.407.489 habitantes, ou seja, 21.42% da população do estado com carne saudável e segura.

Governo estadual analisa regionalização de matadouro em São Bernardo

Representantes do governo estadual e do Sebrae de Chapadinha visitaram as instalações da G-Boi em São Bernardo.

Representantes do governo estadual e do Sebrae de Chapadinha visitaram as instalações da G-Boi em São Bernardo.

Com obras concluídas e pronto para funcionar, o matadouro G-Boi, do empresário Élcio Alves de Oliveira, recebeu uma visita técnica do secretário de Indústria e Comércio (Seinc), Simplício Araújo, e de representantes da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged), vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), na sexta-feira (13), com o objetivo de conhecer as instalações e analisar a possibilidade de integração do empreendimento ao Programa de Matadouros Regionais (Promar).

A construção do empreendimento foi iniciada há três anos, com o apoio do Sebrae, e contou com um investimento de R$ 4,6 milhões para atender às adequações físicas necessárias para o abate de 400 animais por dia. Esta capacidade poderá atender toda a regional do Baixo Parnaíba, abastecendo 14 municípios. Para o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, esse matadouro, caso regionalizado, vai contribuir com as finalidades do Promar. “Nosso objetivo é promover saúde, emprego e renda para os maranhenses e valorizar o nosso pecuarista. Cada matadouro a ser construído ou regionalizado representa a dinamização da economia local e o adensamento de uma cadeia produtiva de grande potencial para o estado, seja no abastecimento interno, seja na exportação”, disse.

O matadouro de São Bernardo ainda deve passar por uma vistoria final antes de ser registrado pelo Serviço de Inspeção Estadual (SIE). Até agora, o empreendimento passou por uma vistoria inicial, que analisa o terreno e sua localização, e teve croquis e projeto de construção avaliados pela Coordenação de Inspeção Animal da Aged.

A Agência concedeu o primeiro registro do SIE a um matadouro em agosto do ano passado para o Frigorífico Dhias Ltda, localizado em Axixá. O matadouro de São Bernardo poderá ser o segundo do estado com esse registro. “Esse matadouro tem dupla importância. Além de ser o segundo a obter o registro do SIE, em relação ao Promar, tudo indica que ele será o primeiro matadouro regionalizado do estado. Com isso, vamos disponibilizar carne, com certificação oficial, para população em geral”, enfatizou o coordenador de inspeção animal da Aged, Hugo Napoleão.

Inspeção em matadouros

Para garantir a inspeção em São Bernardo, a Aged reforçará sua equipe, oferecendo treinamento aos fiscais agropecuários estaduais da região. “Atualmente, a nossa regional não conta com nenhum matadouro com Serviço de Inspeção Estadual e a maior parte dos estabelecimentos que atendem a região são clandestinos. Com a implantação deste novo, a população terá um salto na qualidade de vida”, explicou o chefe da regional de Chapadinha, Carlos Henrique Marques.

Os matadouros certificados pelo SIE devem contar com um responsável técnico e um técnico de inspeção da Aged diariamente. O responsável pela inspeção realiza exames clínicos nos animais antes do abate e, após, analisa carne e carcaça.