Aged participa da 48ª Expoimp com educação sanitária e fiscalização

O teatro de bonecos é interpretado por fiscais agropecuários e técnicos da Aged para estudantes de escolas da zona rural.

O teatro de bonecos é interpretado por fiscais agropecuários e técnicos da Aged para estudantes de escolas da zona rural.

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) iniciaram sua programação educativa na 48ª edição da Exposição Agropecuária de Imperatriz (Expoimp) nesta segunda-feira (04). Até sábado, crianças, produtores e comunidade local poderão conferir as apresentações do teatro de boneco da Agência e participar de palestras de orientação técnica sobre sanidade animal e vegetal.

Na tarde de quinta-feira, a Aged apresenta a palestra “Aquicultura com sanidade”, e, na sexta, fiscais agropecuários da Agência explicam o “Passo a passo para o registro de agroindústrias familiares” e falam sobre o “Uso correto e seguro de defensivos agrícolas e a devolução das embalagens vazias de agrotóxicos”, no Espaço de Todos Nós, do Parque de Exposições Lourenço Vieira da Silva. “Hoje, a Expoimp é um dos maiores eventos da agropecuária do Maranhão e nós temos que dar todas as condições para que os participantes possam aproveitar e, ao mesmo tempo, se capacitar”, defendeu o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

No sábado, o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) da Agência faz uma apresentação voltada para os criadores de gado leiteiro, no auditório principal da exposição. “A brucelose e a tuberculose, dentro desse contexto da produção de leite, são de extrema importância, porque são doenças de grande impacto econômico, além de perigosas para a saúde pública” explica a chefe do Programa, Adriana Prazeres. A palestra faz parte da programação da Sagrima dedicada à cadeia produtiva do leite, que incluirá a apresentação das ações previstas e em andamento pelo Programa Mais Produção na Região Tocantina e do Médio Mearim.

Além disso, a Agência também ocupa o “Espaço de Todos Nós”, nas manhãs de segunda a sexta, com programação infantil e distribuição de brindes. Na ocasião, é encenada uma peça sobre a febre aftosa no teatro de bonecos e são oferecidas aulas de educação sanitária para as escolas públicas locais.

Fiscalizações

Além das palestras, a Aged fiscaliza todos os animais que participam da exposição. “Nosso trabalho se inicia bem antes do evento oficial, pois todo o parque é vistoriado e desinfetado para que todos os ambientes estejam aptos para os animais”, explica a chefe da Unidade Regional Imperatriz, Fernanda Rolim. As fiscalizações, que consistem em exame clínico e verificação de documentação obrigatória para cada espécie animal, foram iniciadas no dia 30 de junho e se estendem até 12 de julho.

“Valorizamos o serviço da Aged, pois, além de colaborar com a sanidade dentro da Expoimp, ele garante que os animais que estão sendo comercializados são altamente valiosos pelo ponto de vista zootécnico e sanitário”, reconhece o presidente do Sindicato Rural de Imperatriz (Sinrural), responsável pela exposição, Renato José Nogueira.

Confira a programação completa:

flyer-15cm-x-21cm-01

Camarão seco transportado em sacos de fertilizantes é apreendido na entrada de São Luís

Os fiscais identificaram itens de interesse da inspeção agropecuária, como 140 kg de camarão fresco, sendo transportados em ônibus de passageiros.

Os fiscais identificaram itens de interesse da inspeção agropecuária, como 140 kg de camarão fresco, sendo transportados em ônibus de passageiros.

Em pleno período junino, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), em parceria com a Polícia Militar (PMMA), apreendeu 500 kg de camarão seco, um dos principais ingredientes dos pratos típicos no estado, em sacos de fertilizantes, com destino aos comércios de São Luís. A apreensão foi resultado de uma blitz na barreira do Posto Fiscal da Estiva, na madruga da quarta-feira (15). Das duas até às sete horas da manhã, os fiscais agropecuários da Unidade Regional São Luís e uma equipe da PMMA fiscalizaram a entrada de animais, vegetais, seus produtos e subprodutos, na capital.

Ao todo, 27 veículos foram vistoriados, entre ônibus de passageiros, vans e pick-ups, utilitários, caminhões frigorificados e caminhões baú. “Essa atividade foi proveniente de denúncias realizadas pela própria PM, que observou o transporte de alimentos e animais em pick-ups, ônibus de passageiros e vans. Como não sabiam como proceder nesses casos, procuraram pela Aged”, revela o técnico de fiscalização agropecuária, Pedro Gualter.

Após as inspeções, cinco veículos receberam autos de infração. Os fiscais atuaram dois veículos pelo transporte de 60 pintos sem a documentação sanitária de trânsito e, outro, pelo de 140 kg de camarão fresco sem nota fiscal. Na operação, também foram apreendidos 500 kg de camarão salgado seco transportados em sacos de fertilizantes reutilizados.

Conforme explica o coordenador de Inspeção Animal, Hugo Napoleão, o camarão seco, muitas vezes produzido de forma artesanal, é um produto que faz parte da cultura maranhense, mas que, como qualquer alimento, precisa ser seguro para o consumo. “Independente de ser camarão, carne ou queijo, todo produto deve ser transportado em condições adequadas. O saco de fertilizante é altamente contaminante e pode trazer problemas de saúde para quem consumir aquele alimento”, alertou.

Transporte na madrugada

Segundo o chefe da Unidade Regional São Luís, Assuero Batista Junior, as constantes fiscalizações da Aged, no período das 8h às 18h, tem inibido os transportadores desses produtos. “Houve uma migração do transporte desses produtos para o horário da madrugada. Prova disso é a apreensão dessa quantidade significativa de camarão seco e fresco, que estava sendo destinada para os comércios de São Luís”, explica.

Operação fiscaliza transporte de animais, vegetais e alimentos pela estrada de ferro

Operação da Polícia Militar, SMTT e Aged na Estação Ferroviária aconteceu na terça (07),

Operação da Polícia Militar, SMTT e Aged na Estação Ferroviária aconteceu na terça (07).

A convite da Polícia Militar, por meio do Comando de Policiamento Metropolitano III, e da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), por meio da Unidade Regional de São Luís, participou, na última terça (07), das 21h às 00h, da fiscalização do transporte de animais e vegetais, bem como de seus produtos e subprodutos, na Estação Ferroviária de São Luís.

O objetivo da participação da Agência era averiguar se os passageiros portavam a documentação necessária para transportar animais, vegetais e alimentos dessas origens; e se o transporte destes era feito em condições adequadas. Após três horas de operação, foram apreendidos e inutilizados 26 kg de queijo, que estavam mal acondicionados e não possuíam nota fiscal. Este documento é obrigatório para produtos e subprodutos de origem animal por certificar a sua origem, assim, é possível saber se ele foi produzido dentro das normas higiênicas.

A ausência da nota também foi detectada na carga de outro passageiro que transportava 12 litros de leite cru, ou seja, que não havia sido fervido, pasteurizado ou passado por qualquer processo de beneficiamento. “É importante fazer esse tipo de apreensão, mesmo que seja em pequenas quantidades, porque, por exemplo, no caso do leite, a gente sabe que ele é um meio de cultura natural. Ou seja, ele pode veicular uma série de micro-organismos que causam doenças, como a febre aftosa, brucelose e tuberculose, e permitir que doenças que não são endêmicas nessa região possam ser trazidas por meio desse leite”, explicou o chefe da Regional São Luís da Aged, Assuero Batista Junior.

Da mesma forma que os produtos de origem animal, também foram apreendidas mudas de vegetais por estarem sem atestado de origem, existindo, dessa forma, possibilidade de servir como veículo de pragas.

Os passageiros que tiveram produtos apreendidos foram autuados e receberam orientações dos fiscais agropecuários. “O ideal é que ele respeite a temperatura de acondicionamento daquele alimento e saiba que cada alimento tem uma peculiaridade para o seu transporte. No caso de animais, ele tem que vir em um compartimento que permita seu bem estar e tem que estar acompanhado da Guia de Trânsito Animal”, esclareceu Assuero.

Serviço

O consumidor que quiser transportar alimentos de origem animal deve estar atento à nota fiscal do produto e ao volume, já que grandes quantidades podem não ser consideradas como destinadas ao consumo próprio. Além disso, para garantir que o alimento chegará ao destino próprio para o consumo, é importante seguir as seguintes orientações:

Carnes em geral: devem estar congeladas e dentro de uma caixa térmica ou isopor com gelo.

Leite: Deve ser pasteurizado.

Queijo: existem alguns tipos de queijo que não precisam ser refrigerados, mas queijos como o muçarela, devem ser transportados com refrigeração (preferencialmente, mantendo a temperatura até 8ºC).

Mais de 250 animais são fiscalizados em Vaquejada de Colinas

vaquejada-nova-colinas

Equipe da Aged, no local do evento, verificando Guias de Trânsito Animal.

Para a liberação do Parque do Povão e realização da Vaquejada de Nova Colinas, a equipe da Unidade Regional de Balsas da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) realizou a vistoria das instalações do evento e fiscalizou 200 bovinos e 72 equinos, no dia 15.

Os fiscais estaduais agropecuários e técnicos em fiscalização agropecuária dos municípios de Balsas, Fortaleza dos Nogueiras e Nova Colinas realizaram uma fiscalização conjunta, onde verificaram as Guias de Trânsito Animal (GTA) de entrada dos bovinos e equinos que participaram do evento. No caso dos equinos, também foram verificados os exames de Anemia Infecciosa Equina (AIE), Mormo e o Atestado de Vacinação contra Influenza Equina, documentação exigida de acordo com a legislação federal. “Durante todo o evento abordamos e inspecionamos os equinos que vieram, principalmente, do Pará”, explica o chefe da Unidade Regional de Balsas, Eugênio Pires.

A fiscalização de aglomerações, como é chamada tecnicamente a inspeção que se faz em vaquejadas, leilões, exposições e outros eventos, é uma prática obrigatória e fundamental para preservar a sanidade dos animais do estado. Em 2015, a Aged esteve presente em 201 eventos registrados no estado, fiscalizando mais de 100 mil bovinos, 10 mil equinos, entre outros animais.

Após a vistoria das instalações da vaquejada em Nova Colinas, a equipe da Aged constatou que tudo estava dentro das leis e foi dada autorização para que o evento acontecesse dentro da normalidade.

Aged promove treinamento para fortalecer fiscalização agropecuária em 13 municípios

blitz-pedreirasNa sexta-feira (13), a Unidade Regional de Pedreiras da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) realizou uma blitz, no município de Igarapé (MA 119), como parte da capacitação, de fiscais agropecuários e técnicos da região, em fiscalização móvel.

De acordo com a fiscal agropecuária Michelle Lemos, responsável pela formação que se iniciou no dia 12, este foi o primeiro treinamento em fiscalização agropecuária móvel na regional de Pedreiras, que abarca 13 municípios maranhenses. “Com este treinamento acredito que vai melhorar e muito a quantidade de fiscalizações em nossas blitzen e os servidores terão mais segurança no ato da fiscalização. Outro ponto importante é fazer com que o criador procure a ULSAV (Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal) para retirar a documentação sanitária vigente para o transporte das cargas”, destacou o chefe da regional, Robert Ferreira.

Após receberem informações sobre a base legal das fiscalizações e os documentos obrigatórios exigidos para o transporte de animais, vegetais, produtos e subprodutos, os 12 profissionais da regional, em parceria com a Polícia Militar, inspecionaram 129 veículos na manhã do dia 13. Como resultado, a ação identificou problemas como ausência de documentação sanitária, acondicionamento inadequado e até transporte ilegal de um animal silvestre.

Transporte de leite

Durante a blitz, a equipe autuou, ainda, um caminhão que transportava leite in natura em condições higiênicas inadequadas, em uma carroceria suja de fezes e aparas de madeira (maravalha). “A ação teve um impacto grande na região, pois ela é uma bacia leiteira. Em duas horas de ação, inspecionamos 120 veículos e aproveitamos para dar orientações técnicas aos transportadores de leite”, avaliou Michelle.

Aged intensifica treinamento para fiscalização da entrada de aves vivas no estado

Tenente Jorge Diego Araújo Costa da 12ª Companhia Independente de Zé Doca durante treinamento, no dia 02.

Tenente Jorge Diego Araújo Costa da 12ª Companhia Independente de Zé Doca durante treinamento, no dia 02.

Desde o dia 02, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged), em parceria com a Polícia Militar, está oferecendo treinamento sobre abordagem segura de veículos transportadores de animais, produtos e subprodutos de origem animal e vegetal para técnicos de fiscalização agropecuária em Boa Vista do Gurupi, Itinga do Maranhão, Estreito e Pirangi.

Além de palestras sobre técnicas de abordagem da Polícia Militar, o treinamento inclui simulações em Postos Fixos de Fiscalização Agropecuária. O projeto, que se encerra na quinta-feira (12), foi desenvolvido para garantir mais segurança aos fiscais, que abordam cotidianamente caminhões e veículos de carga. “Avalio positivamente os resultados alcançado no dia de hoje, onde pudemos notar um novo olhar sobre os Postos Fixos em que o servidor lotado nos mesmos está sendo valorizado”, elogiou o técnico de fiscalização em agropecuária, Antônio Benedito Dourado Aires, que participou do treinamento em Boa Vista do Gurupi.

Outro objetivo importante do treinamento é chamar atenção para as resoluções da Portaria 003/2016 da Aged. De acordo com o documento, que entrou em vigor em abril, o ingresso de aves adultas tipo frango de corte, no estado, será impedido caso não estejam previamente destinados ao abate em estabelecimentos com Serviço de Inspeção Federal ou Estadual (SIF ou SIE). Esta medida faz parte das ações do governo estadual para incentivar a avicultura do Maranhão e impedir a entrada de aves para abate clandestino.

Mais segurança na avicultura

Além do treinamento dos fiscais de Postos Fixos, na terça-feira (10), a Associação de Avicultores do Maranhão (Avima) e as secretarias de Indústria e Comércio (Seinc) e Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), e Aged assinaram um Convênio de Cooperaçao Técnica, Física e Financeira para desenvolver ações conjuntas de defesa, inspeção e educação sanitária no combate ao abate clandestino.

Com o convênio, a Aged receberá recurso na ordem de R$ 1 milhão de reais da Avima para a intensificação da fiscalização do trânsito interestadual e intraestadual, registro e inspeção de estabelecimentos avícolas comerciais e de revendas de aves vivas, entre outras ações de defesa. “A Aged é uma estrutura de base, ela é um suporte e se ela deixar de funcionar com eficiência toda a cadeia produtiva se prejudica”, ressaltou, durante a assinatura do convênio, o secretário da Sagrima, Márcio Honaiser.

Governo estadual fiscaliza mais de 5 mil bezerros durante leilão em Estreito

IMG_0656

A equipe da Aged emitiu GTA eletrônicas no local do evento.

Durante o sábado (23), uma equipe da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV) de Estreito da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged) fiscalizou os 5.795 bezerros que participaram do leilão Boi Branco, realizado em homenagem aos 20 anos da ATR Leilões.

Na ocasião, o médico veterinário responsável pela fiscalização no município, Reylan Delano, e sua equipe inspecionaram a entrada de todos os animais na propriedade da ATR Leilões em Estreito, onde geralmente são realizados leilões semanais. A fiscalização tem o objetivo de verificar a sanidade dos bois e se estão de posse documentos pertinentes. “Dessa vez, também emitimos a GTA (Guia de Trânsito Animal) eletrônica no local do evento, o que possibilitou mais agilidade e eficiência no trabalho”, explicou o médico veterinário.

O leilão Boi Branco acontece duas vezes ao ano e é considerado um evento de grande porte, no qual são comercializados apenas bezerros melhorados geneticamente. Após a fiscalização, a chefe da Unidade Regional da Aged de Imperatriz, Fernanda Araújo, elogiou o trabalho da empresa promotora. “Eles cumprem sempre com nossas demandas e estão de acordo com a legislação vigente”, ressaltou.

Trânsito de Animais

A Guia de Trânsito Animal (GTA) é o documento oficial para o transporte de animais no Brasil. Essa documentação obrigatória, exigida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), contém as informações sobre o destino e as condições sanitárias, bem como a finalidade, do transporte do animal.

Nessa guia são fornecidas, por exemplo, informações sobre as vacinas que o animal recebeu. Para que a GTA de um animal seja emitida, o proprietário deve comprovar as vacinações exigidas pela legislação brasileira e que, no caso de bovinos e bubalinos, estão limitadas à febre aftosa e brucelose. Assim, a guia também funciona como uma ferramenta de controle de doenças em todo o país.

Aged inicia fiscalização das condições físicas e sanitárias de granjas e revendedoras de aves vivas

Equipe da Aged/MA e da ULSAV de Bacabal durante fiscalização

Equipe da Aged/MA e da ULSAV de Bacabal

Entre os dias 11 e 13, a equipe do Setor de Sanidade Avícola da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged) e os fiscais da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal de Bacabal realizaram vistorias em granjas avícolas comerciais e revendedoras de aves vivas do município, com o fim de observar as condições físicas e sanitárias dos estabelecimentos.

Atualmente, existem 27 estabelecimentos avícolas registrados na Aged. Esse registro garante uma fiscalização mais intensa e maior controle sanitário na produção, como parte das ações do Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA). Além dos estabelecimentos registrados, há um grande número de propriedades cadastradas na Agência e, outras, em fase de registro. “Estamos organizando uma série de fiscalizações nas propriedades que tinham se cadastrado, mas ainda não tinham recebido vistoria. A partir da vistoria, nos emitimos laudos e o proprietário recebe um prazo para se adequar ao que exigido”, explica a fiscal agropecuária, Daniela Póvoas.

Nesta primeira viagem, cinco núcleos da Granja Paulista foram vistoriados e a atualização dos cadastros das revendas de aves vivas, que obrigatoriamente devem possuir Guia de Trânsito Animal (GTA), foi discutida com a equipe da unidade local da agência. “Com o programa Mais Avicultura e os incentivos do governo estadual para a atividade, nosso objetivo tem sido registrar o maior número de granjas possíveis. O que nós ganhamos com o registro é a garantia de mais sanidade”, declarou a fiscal.

Benefícios do registro

De acordo com a legislação brasileira, mesmo os estabelecimentos avícolas comerciais não registrados têm a obrigação de fazer o monitoramento sanitário para a doença de Newcastle, influenza aviária, salmonelas, micoplasmas, além do controle do uso de produtos veterinários. “Os produtores têm que realizar exames de micoplasma e salmonela a cada quatro meses. Esses exames são caros, já que só podem ser analisados em determinados laboratórios, e são de responsabilidade do proprietário se ele não for registrado”, esclarece Daniela.

Uma vez registrados na Aged, a inspeção periódica fica a cargo da Agência, como parte do PNSA. Além da fiscalização e registro de estabelecimentos avícolas, o programa, que existe há mais de 20 anos, realiza o monitoramento sanitário nos plantéis de reprodução para certificação dos núcleos e granjas avícolas como livres de salmonelas e micoplasmas, faz a vigilância de doenças em aves migratórias, entre outras medidas sanitárias.

Operação Impacto inspeciona trânsito agropecuário em Balsas, Fortaleza dos Nogueiras e Carolina

Nos dias 01 e 04 de abril, novas ações da Operação Impacto de Fiscalização do Trânsito Agropecuário, que tem por objetivo intensificar a vigilância epidemiológica e evitar o transporte irregular de animais, vegetais, seus produtos e subprodutos, ocorreram na MA 006 e na BR 230.

Na sexta-feira, 01, a equipe de fiscalização da Unidade Regional de Balsas da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (AGED), com o apoio da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar do Maranhão, inspecionou veículos com produtos e subprodutos de origem animal e vegetal, no sentido de Tasso Fragoso e Alto Parnaíba (MA 006), Fortaleza dos Nogueiras e Formosa da Serra Negra (MA 006). Já na segunda-feira, 04, novas inspeções foram realizadas em Riachão e Carolina (BR 230).

Segundo o chefe da Unidade Regional de Balsas, Eugênio Pires, as ações de fiscalização sempre são intensificadas às vésperas das etapas das campanhas para manutenção da zona livre de Febre Aftosa com Vacinação. “As fiscalizações foram planejadas pelo setor de Trânsito Animal e vão continuar por todo o mês de abril, contando com o trabalho das Unidades Locais de Sanidade Animal e Vegetal e com o apoio das polícias Rodoviária Federal e Militar do Estado do Maranhão”, explicou.

A blitz de fiscalização volante agropecuária que deu início à Operação Impacto ocorreu também na sexta-feira, 01 de abril, na região de Bacabeira. Em cinco horas de inspeção ininterrupta, foram verificados mais de 7.213 aves; 6.500 kg de cama de frango destinada ao uso agrícola; 556 kg de frango abatido; 60 litros de leite; 18.880 kg de carne bovina com osso, 1.700 kg de pescado, entre outros.

70 kg de queijos transportados sem nota fiscal e acondicionados de forma inadequada foram apreendidos durante ação da Operação Impacto

70 kg de queijos transportados sem nota fiscal e acondicionados de forma inadequada foram apreendidos durante ação da Operação Impacto