Maranhão bate novo recorde de vacinação contra febre aftosa

O sucesso na vacinação tem impacto não somente na sanidade do gado, mas em toda a economia do estado.

O sucesso na vacinação tem impacto não somente na sanidade do gado, mas em toda a economia do estado.

De 1º de novembro a 15 de dezembro de 2016, foram imunizados 98,44% de todo o rebanho bovino e bubalino do Maranhão contra febre aftosa. Os dados, divulgados pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), dizem respeito aos resultados da 2ª etapa da campanha de vacinação contra a doença e marcam um novo recorde para o estado.

“Mesmo com a estiagem, o grande número de focos de queimadas e o agravamento da seca em algumas regiões nesse segundo semestre, conseguimos aumentar a cobertura vacinal nesta etapa e ultrapassar o índice anterior, de 2015, que até então era o maior do estado no período. Com essa conquista, é possível que estejamos novamente entre os estados brasileiros com os melhores resultados”, declarou o presidente da Aged/MA, Sebastião Anchieta.

Com a porcentagem alcançada, que representa a vacinação de 7.473.201 bovinos e bubalinos, em 88.921 propriedades, o Maranhão também conseguiu, pelo segundo ano consecutivo, manter os resultados de todas as campanhas acima de 98%. Antes de 2015, a cobertura máxima alcançada havia sido de 97% em 2011.

Impacto

 Em 2014, o Maranhão foi reconhecido internacionalmente pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa com vacinação. Com essa conquista e a manutenção dos índices vacinais acima do exigido pelo Ministério de Agricultura, o estado avançou 74,1% na exportação de couro em relação a 2015, realizou a exportação de 11.288 bois vivos para o exterior pelo Porto do Itaqui e, até mesmo, conseguiu uma projeção de crescimento de 2,9% da área de soja, cultura que também depende desse status sanitário.

“O sucesso na vacinação tem impacto não somente na sanidade do nosso gado, mas em toda a economia do estado. Além da exportação de gado vivo e do aumento da produção de carne processada, para os mercados interno e externo, a indústria de laticínios e derivados de leite e mesmo a cadeia de grãos são influenciadas por esses resultados positivos, que mantém o estado competitivo e em destaque no cenário nacional”, explica o secretário de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser.

Regionais

 Os grandes polos pecuaristas do estado, como Imperatriz e Açailândia, estão entre as Unidades Regionais da Aged/MA que mais vacinaram seu rebanho, com os índices vacinais de 99,77% e de 99,62%, respectivamente. Somente nessas regiões, foram imunizados mais de 2 milhões e 200 mil animais.

A Regional São Luís e Itapecuru Mirim são outros grandes destaques, com o alcance dos índices de vacinação de 100% e 99,88% dos animais da região. “Estes resultados revelam que o produtor maranhense está consciente da necessidade de proteger o seu rebanho, além de demonstrar o empreendedorismo no setor produtivo. Também não podemos deixar de reconhecer o papel do governo estadual, das associações de criadores e de todos os parceiros da Aged/MA na divulgação da campanha e na intensificação da vigilância sanitária do estado”, destacou Sebastião Anchieta.

Retrospectiva: Maranhão aumentou a vigilância sanitária de doenças animais em 2016

Segundo a Aged, o aumento das fiscalizações teve impacto na obtenção de índices vacinais positivos para febre aftosa, brucelose e raiva.

Segundo a Aged, o aumento das fiscalizações teve impacto na obtenção de índices vacinais positivos para febre aftosa, brucelose e raiva.

Além da manutenção do status sanitário de área livre de aftosa, em 2016, o Maranhão conseguiu intensificar sua defesa sanitária animal e garantir mais saúde para os animais de produção e para a população. De acordo com dados da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), só no ano passado foram realizadas 45.135 fiscalizações para a prevenção da febre aftosa e 62.721 para prevenção de outras doenças animais. Os números representam um incremento de, respectivamente, 146% e 28% nas metas previstas.

“Ano passado, o governo estadual teve que fazer alguns ajustes e tivemos um corte de 30% nos nossos recursos. Com isso, tivemos que readequar o nosso planejamento e, com as mudanças e o esforço dos nossos funcionários, conseguimos atingir nossas metas em mais de 100%, especialmente as metas de fiscalizações em propriedades que permitiram a obtenção de índices expressivos nas coberturas vacinais”, comentou o presidente da Aged/MA, Sebastião Anchieta.

Os resultados também foram positivos na fiscalização do trânsito de animal, seus produtos e subprodutos. Como fruto da vigilância nas 07 barreiras zoofitosanitárias do estado, nas blitzen e volantes, foram inspecionados 60.742 veículos e 10.250 movimentações animais para outros estados, num total de 344.532 bovídeos.

“Em 2017, pretendemos aumentar o número dessas fiscalizações, pois entendemos que assim podemos não só coibir o trânsito clandestino de animais, mas também o trânsito de alimentos e produtos de origem animal e a evasão de divisas. Estamos trabalhando em parceria com a Sefaz, para impedir o trânsito inadequado sem Guia de Trânsito Animal e Nota Fiscal”, explicou a Diretora de Defesa e Inspeção Animal, Viviane Correa.

Controle de doenças

Em 2016, a Aged também registrou a vacinação de 238 mil bezerras de 03 a 08 meses de idade contra brucelose. Com o número, o estado alcançou a cobertura de 70% preconizada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Para o controle da raiva dos herbívoros, foram contabilizadas 30 capturas de morcegos hematófagos, 25 ações de busca de agressões por morcegos e 2.617.036 vacinações.

Na avicultura, área em que a Aged tem investido na educação sanitária de produtores a partir de um convênio com o Fundo Maranhense de Combate à Pobreza (Fumacop), realizaram-se monitoramentos de granjas cadastradas e de sítios de aves migratórias para controle da influenza aviária.

“Temos o plano de ampliar nossa ação no programa de controle e erradicação da brucelose e tuberculose, aumentando a cobertura vacinal das bezerras, bem como de intensificar os cadastramentos de propriedades com suínos, animais aquáticos e abelhas”, declarou Viviane.

Maranhão já alcançou 90% da cobertura vacinal contra aftosa

Chefe da Regional de Viana aplicando vacina em rebanho de comunidade quilombola, em São Vicente de Ferrer.

Chefe da Regional de Viana aplicando vacina em rebanho de comunidade quilombola, em São Vicente de Ferrer.

De acordo com dados do Sistema de Integração Agropecuária (Siapec) da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), desde o dia 27, o Maranhão já registrou a vacinação de 90% do rebanho bovino e bubalino contra febre aftosa, alcançando a meta estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e garantindo a manutenção do status sanitário de área livre de febre aftosa com vacinação.

Após o encerramento do período de vacinação, que se estendeu de 1º de novembro a 15 de dezembro, e do período para a comprovação da aplicação pelos produtores, finalizado em 27 de dezembro, a Aged/MA entrou na reta final de contabilização da cobertura vacinal contra febre aftosa, com a digitalização das informações feitas em papel.

“Em municípios com dificuldade de acesso à internet, a comprovação ainda é feita manualmente e, somente depois, é atualizada no Siapec. Por isso, os escritórios da Aged ainda contam com um prazo interno para digitação e atualização de dados no sistema”, explicou o coordenador do Programa Estadual de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) na Aged, Adriano Moura.

Antes da finalização do prazo para inserção dos dados no sistema, a Agência comemora o alcance da meta do Mapa e mantém a expectativa de ultrapassar a marca de 98%. “Desde 2005, o Maranhão alcança índices vacinais acima de 90%. Nosso trabalho foi se fortalecendo e consolidando ao longo dos anos e o produtor maranhense é consciente da importância de vacinar seu rebanho”, destacou o presidente da Aged/MA, Sebastião Anchieta.

A previsão para a divulgação do resultado final da II Etapa da Campanha de Vacinação é para o dia 15 de janeiro de 2017.

Histórico

Em 2016, o Maranhão completou três campanhas consecutivas com índices vacinais acima de 98%. Os números representam os melhores resultados obtidos pelo estado desde 2005. Em maio deste ano, o Maranhão vacinou 98,46% do seu rebanho bovino e bubalino, com isso, foi o estado do Nordeste com o melhor desempenho na I Etapa da campanha.

Além dos bons resultados, 2016 também foi o ano em que a Aged/MA comemorou 15 anos desde o único e último caso de febre aftosa registrado pelo Mapa no Maranhão.

Vacinação contra febre aftosa é prorrogada até 15 de dezembro

A vacinação do rebanho bovino e bubalino contra febre aftosa é obrigatória e deve ser realizada até 15 de dezembro no Maranhão.

A vacinação do rebanho bovino e bubalino contra febre aftosa é obrigatória e deve ser realizada até 15 de dezembro no Maranhão.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aprovou a prorrogação a data final da II Etapa de Vacinação contra a Febre Aftosa no Maranhão. De acordo Portaria Nº 1038, de 30 de novembro de 2016, da Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), a vacinação de bovinos e bubalinos, que deveria ser realizada até 30 de novembro, também poderá ser executada sem penalidades ao produtor até o dia 15 de dezembro.

“Em quase todos os estados do Nordeste, enfrentamos secas e outros obstáculos climáticos. Esta prorrogação foi solicitada ao Mapa para que nossa cobertura não fosse comprometida e para que consigamos manter os bons resultados que o Maranhão vêm apresentando”, explicou o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

De acordo com o responsável pelo Programa Nacional de Erradicação e Prevenção contra a Febre Aftosa (PNEFA), Adriano Moura, outros fatores que motivaram a extensão do prazo foi a adaptação das revendas de vacina ao Sistema de Integração Agropecuária (Siapec), cujo módulo de controle de entrada, saída e estoque de vacinas entrou em vigor em abril deste ano. “Além disso, nesta segunda fase, tivemos a greve dos fiscais agropecuários que paralisou as atividades de fiscalização de 1º de outubro a 07 de novembro”, complementou.

Com a prorrogação, os produtores, que ainda não imunizaram seus rebanhos contra febre aftosa e quiserem continuar adimplentes, tem até o dia 15 de dezembro para adquirir e administrar a vacina. “Durante esses 15 dias, vamos continuar com as atividades das nossas equipes em campo, mobilizando os produtores e mantendo a meta de acompanhar até 20 vacinações”, garantiu Adriano.

Com a portaria, o período de comprovação da vacinação também foi estendido para até o dia 27 de dezembro. O procedimento deve ser realizado na unidade da Aged em que a propriedade está cadastrada.

Gincana Aged em Ação promove educação sanitária para 150 crianças em João Lisboa

A Gincana Aged em Ação reuniu estudantes de quatro escolas rurais de João Lisboa para falar sobre febre aftosa, raiva e agrotóxicos.

A Gincana Aged em Ação reuniu estudantes de quatro escolas rurais de João Lisboa para falar sobre febre aftosa, raiva e agrotóxicos.

Na manhã da quarta-feira (16), enquanto muitos alunos acordavam cedo para ir à escola, os estudantes do 4º e 5º ano das escolas municipais dos Povoados Centro dos Carlos e Bom Lugar, do município de João Lisboa, se preparavam para uma experiência de aprendizado diferente na quadra de esportes da escola Ana Helena Calixto, onde ocorreu a Gincana Aged em Ação.

Organizada pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), por meio da Unidade Regional Imperatriz, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Associação do Comércio de Insumos Agropecuários da Região Tocantina (Aciart), Herbinorte e Agroquima, a gincana marcou o encerramento de um projeto de educação sanitária da Agência que incluiu palestras preparatórias para estimular o estudo de enfermidades e a consciência ambiental.

“As palestras foram iniciadas no dia 04 de outubro e concluídas no dia 25. Depois as crianças tiveram um prazo para confeccionar redações com os temas abordados. Hoje, vimos que as crianças e os professores se esforçaram e se prepararam para nossa gincana. Foi uma ótima experiência!”, contou a chefe da Unidade Regional Imperatriz da Aged, Fernanda Rolim Araújo.

Os alunos da Escola Oldacy Jorge Vieira apresentaram uma poesia de cordel durante o evento.

Os alunos da Escola Oldacy Jorge Vieira apresentaram uma poesia de cordel durante o evento.

Cerca de 150 crianças participaram de brincadeiras e, como parte da ação, quatro alunos das escolas Manoel Siriqueira, Oldacy Jorge Vieira, Ana Helena Calixto e Benedito Leite tiveram seus conhecimentos sobre febre aftosa, raiva, alimentos seguros e defensivos agrícolas testados. A premiação principal foi um computador para a escola campeã, além de prêmios para todas as crianças participantes, como tablet (1º lugar), bicicleta (2º lugar), mochila (3º lugar) e bola (4º lugar).

“É importante que tenhamos esse comprometimento para educar para o futuro das gerações”, ressaltou o engenheiro agrônomo da Aciart Lourival Silva. O representante da empresa Herbinorte Enrique Mansueto também elogiou o projeto e garantiu que fazia parte dos interesses da empresa estar envolvida em ações para promover a sustentabilidade. O evento ainda contou com a premiação das três melhores redações, sorteio de brinquedos e a apresentação de uma poesia de cordel pelos alunos da escola vencedora, Oldacy Jorge Vieira, na qual os alunos enalteceram a iniciativa da Aged.

Governo lança campanha de vacinação contra aftosa com foco em avanços econômicos

O Secretário Márcio Honaiser, o presidente da Ascem, Ivaldeci Mendonça, o presidente da Aged, Sebastião Anchieta, o secretário adjunto da Sagrima, Emerson Macedo, e o presidente da Faema, Raimundo Coelho, exibem selos obliterados.

O Secretário Márcio Honaiser, o presidente da Ascem, Ivaldeci Mendonça, o presidente da Aged, Sebastião Anchieta, o secretário adjunto da Sagrima, Emerson Macedo, e o presidente da Faema, Raimundo Coelho, exibem selos obliterados.

Com a presença de representantes de associações e sindicatos de produtores, médicos veterinários, empresários, fiscais e outros representantes do setor agropecuário, o Governo, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), lançou a II Etapa da Campanha de vacinação contra Febre Aftosa, nesta terça-feira, às 10h, na Sala de Reuniões da Vice-Governadoria.

Para marcar o início do período vacinal, a Aged e os Correios lançaram oficialmente o selo comemorativo de 15 Anos sem Aftosa no Maranhão e convidaram o Secretário da Sagrima, Márcio Honaiser, e os presidentes da Associação de Criadores do Estado do Maranhão (Ascem), Ivaldeci Mendonça Júnior, do Instituto de Agronegócios do Maranhão (Inagro), José de Jesus Reis Ataíde, e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Maranhão, Raimundo Coelho, para carimbarem o selo postal. Segundo o presidente da Aged, Sebastião Anchieta, a escolha dos nomes para a cerimônia se deu em virtude do papel representado pelas instituições para que o estado conseguisse controlar a doença.

“Não temos dúvida de que os avanços sanitários que conquistamos no setor agropecuário, a exemplo da certificação internacional como área livre de febre aftosa com vacinação, não seriam possíveis sem o trabalho de nossos abnegados servidores e de todos os parceiros que nos acompanham neste trabalho”, declarou Sebastião.

O lançamento também foi marcado pela exibição de um vídeo sobre os percursos percorridos até que o Maranhão estivesse livre de febre aftosa, com ênfase na importância da manutenção da vacinação e do fortalecimento da vigilância sanitária para o crescimento econômico do estado. “Este ano, os Estados Unidos abriram as portas para o Brasil e o porto mais próximo de lá é o nosso. Mas não queremos que o Maranhão seja apenas um corredor, queremos que o gado criado aqui seja exportado”, destacou o secretário Márcio Honaiser.

O presidente da Ascem, Ivaldeci Mendonça Júnior, reforçou o compromisso das entidades de classe em continuar trabalhando pela conscientização dos produtores. “Estamos à disposição da Aged e da Sagrima porque entendemos que o agronegócio é importantíssimo não só para o Maranhão, mas para o Brasil. Já que é ele que segura, há 30 anos, a balança comercial do país. De forma que nós entendemos que estamos juntos em prol do crescimento da economia nacional, por meio do agronegócio”, defendeu.

VACINAÇÃO

De 01 a 30 de novembro, todos os produtores maranhenses devem vacinar seu rebanho bovino e bubalino e comprovar no escritório da Aged onde sua propriedade estiver cadastrada. Na comprovação, o produtor deve apresentar a nota fiscal da vacina, obtida junto ao fornecedor do produto, e a relação dos animais imunizados.

Maranhão entra na segunda etapa de vacinação contra febre aftosa

De 01 a 30 de novembro, acontece a II Etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa no Brasil. No Maranhão e em outros 13 estados todo o rebanho bovino e bubalino deve ser imunizado. Para registrar o período, o Governo, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) e da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), realizam, nesta terça-feira (01), às 10h, na Sala de Reuniões da Vice-Governadoria, o lançamento da campanha com uma cerimônia de obliteração do selo comemorativo 15 Anos Sem Febre Aftosa no Maranhão.

O evento, que deverá reunir representantes de diversas entidades do setor agropecuário, tem por objetivo conscientizar autoridades e produtores sobre a importância de continuar vacinando o seu rebanho. “A vacinação contra aftosa acontece, todos os anos, em maio e novembro. Historicamente, temos alcançado índices vacinais inferiores nas segundas etapas. Este ano, queremos reforçar o apelo aos produtores para que consigamos manter nosso índice vacinal acima de 98% e garantir a sanidade do rebanho maranhense”, explica o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

Na última campanha, realizada de 01 de maio a 15 de junho, o Maranhão conquistou a maior cobertura vacinal do Nordeste, com a imunização de 98,46% do seu rebanho bovino e bubalino, equivalente a 7.513.765 animais. Esta foi a terceira campanha consecutiva em que o estado apresentou uma cobertura acima de 98%.

“A manutenção do estado como livre de aftosa é fundamental para o crescimento da pecuária e para a atração de investimentos. Não podemos esquecer que esse foi um fator decisivo para que iniciássemos a exportação de gado vivo genuinamente maranhense, operação que, até o primeiro semestre de 2016, já gerou R$ 42 milhões de reais para pequenos e médios produtores”, ressalta o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Márcio Honaiser.

Selo Comemorativo

Na cerimônia de lançamento da campanha, a Aged também pretende relembrar a trajetória de controle da doença. Em agosto desde ano, o Maranhão completou 15 anos desde o último e único caso de febre aftosa registrado pelo Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no município de Eugênio Barros. Para comemorar a data, foi produzido um selo comemorativo junto aos Correios, que será lançado na ocasião e obliterado por cinco personalidades escolhidas pela Aged.

Comemoração dos 15 anos sem aftosa reúne entidades do agronegócio em 6 municípios

Pinheiro esteve entre as Unidades Regionais da Aged que promoveram eventos para comemoração do marco.

Pinheiro esteve entre as Unidades Regionais da Aged que promoveram eventos para comemoração do marco.

Para marcar a conquista de 15 anos sem ocorrência de febre aftosa no Maranhão, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged), em parceria com secretarias municipais e entidades ligadas ao agronegócio, promoveu eventos em seis municípios do estado, de 31 de agosto a 13 de setembro, para comemorar o status sanitário de área livre de febre aftosa com vacinação e explicar os avanços econômicos que a imunização dos rebanhos gerou.

Em Balsas, Imperatriz, Presidente Dutra, Viana, Pinheiro e Caxias, veterinários ministraram palestras explicando o caminho percorrido pela defesa agropecuária para prevenir a doença. “Pudemos repassar a importância das ações do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, des

tacando também as ações estratégicas para reabilitar os produtores inadimplentes com a vacinação. Conseguimos demonstrar a importância da Defesa Agropecuária para tornar a bovinocultura do Maranhão competitiva no agronegócio e para a oferta de alimentos de qualidade”, avalia a chefe da Unidade Regional Caxias, Nádia Oliveira Medeiros.

Os eventos foram marcados pela presença de autoridades locais, criadores, estudantes, médicos veterinários e técnicos de extensão rural. “Não adianta ninguém querer fazer as coisas sozinho, precisamos das parcerias para melhorar a saúde de todos. Estamos garantindo o consumo de carne de qualidade”, defendeu o secretário municipal de Agricultura de Caxias, Manoel Silveira.

Especialistas da área também compareceram às comemorações. Em Caxias, o professor do curso de Zootecnia do IFMA destacou a relevância do trabalho de defesa agropecuária. “Através da atuação da Aged, saímos do Risco Desconhecido para o Baixo Risco, isto é, para o status de área livre com vacinação, com reconhecimento internacional”, pontuou.

Criadores e autoridades participam de comemoração dos 15 anos sem aftosa em Balsas

Nesta quarta-feira, 81 pessoas se reuniram no auditório da 4ª BPM de Balsas para comemorar 15 anos sem aftosa no Maranhão.

Nesta quarta-feira, 81 pessoas se reuniram no auditório da 4ª BPM de Balsas para comemorar 15 anos sem aftosa no Maranhão.

Para marcar os 15 anos sem casos de febre aftosa no Maranhão, a Unidade Regional Balsas da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) reuniu 81 produtores, empresários do setor agropecuário, lideranças locais e crianças em uma solenidade comemorativa, na manhã da quarta-feira (31), no auditório do 4º BPM de Balsas.

Na ocasião, o chefe da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal de Balsas, Karlos Yuri Fernandes, apresentou uma palestra sobre o “Controle da Febre Aftosa no Maranhão”, demostrando os avanços conquistados na defesa agropecuária e os impactos econômicos positivos que o reconhecimento internacional do status sanitário trouxe para o estado.

“A integração, cada dia maior, entre a sociedade e a Aged, demonstra que estão confiando no papel que desempenhamos de blindar o patrimônio agropecuário e de garantir a oferta de produtos seguros e de qualidade para a população maranhense”, destacou o veterinário.

Durante a palestra, Karlos Yuri explicou que os maiores impactos da doença são econômicos. “Qualquer fragilidade sanitária, especialmente se nossos produtores deixarem de vacinar seu rebanho, pode permitir que a doença ressurja e trazer prejuízos a toda cadeia produtiva da agropecuária, num raio de até 25 km, além de descreditar a produção de todo o estado”, alertou.

O evento, que contou com a participação de representantes da Secretaria de Educação, da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA), do Corpo de Bombeiros e do Banco do Nordeste (BNB), reuniu criadores satisfeitos com a data.

“Ela é resultado do trabalho dos órgãos públicos e dos criadores. Hoje temos preços melhores e credibilidade. Estou contente e projetando novos investimentos. Estamos no caminho certo”, declarou o sócio-diretor do grupo Bonine, Gilmar Jose Bonine, que cria cerca de 500 cabeças de gado nos municípios de Balsas, Loreto e Sambaíba e exporta lotes de novilhas para outros estados.

Maranhão completa 15 anos sem nenhuma ocorrência de febre aftosa

Post 15 anos sem aftosaNesta segunda-feira (29), a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) comemora 15 anos sem ocorrência de casos de febre aftosa no estado. O último caso, que foi considerado como foco zero pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), foi registrado em 29 de agosto de 2001, no município Governador Eugênio Barros.

Segundo a diretora de Defesa e Inspeção Animal da Aged, Viviane Correa, em 2001, após um estudo minucioso do perfil do estado, foi criada a estrutura do Serviço de Defesa Agropecuária que, no ano seguinte, culminaria com a criação da Agência. A meta inicial do serviço era o cadastramento dos proprietários, das propriedades rurais, dos efetivos dos rebanhos e do sistema agroprodutivo local a fim de viabilizar as primeiras auditorias orientativas do Mapa.

Foi em meio a esses avanços que o foco zero de febre aftosa no estado foi registrado. “Antes desse caso, o Maranhão não tinha uma estrutura de defesa agropecuária organizada, por isso, o risco do estado para a doença era não conhecido. Quando tivemos que atender esse foco, o estado estava começando a avançar, assim, a ocorrência ficou conhecida oficialmente como foco zero”, explica o coordenador de defesa animal, Aymoré Fernandes Filho.

O foco zero serviria como um parâmetro para avaliar a evolução do Maranhão no controle da doença, caso novas ocorrências fossem notificadas. Desde então, além de não haver registros de novos casos, o estado avançou nas conquistas do status sanitário para febre aftosa, saindo da classificação de “Risco não conhecido” para “Alto risco”, em 19 de setembro de 2002; de “Alto risco” para “Risco médio”, em 28 de dezembro de 2004; e, finalmente, alcançando o “Risco Baixo”, em 02 de setembro de 2013. Desde maio de 2014, o Maranhão tem o reconhecimento internacional concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de área livre de febre aftosa com vacinação.

“Nesses 15 anos, conseguimos formar uma equipe, criar uma carreira especial para o setor agropecuário e, daqui pra frente, nós buscaremos manter esse status sanitário, o que não é tarefa fácil e exige uma vigilância constante. Estamos também pensando no futuro: queremos o status de livre de febre aftosa sem vacinação, como o estado de Santa Catarina”, defende o presidente da Aged, Sebastião Anchieta.

Comemoração

Para marcar a data, as 18 Unidades Regionais da Aged mobilizarão crianças e produtores em eventos e palestras sobre “O Controle da Febre Aftosa no Maranhão”, de 29 de agosto a 02 de setembro. Também está previsto para a metade de setembro, em São Luís, o lançamento oficial do selo postal comemorativo dos 15 anos sem aftosa.