Inspeção da Aged assegura sanidade de cavalos participantes da Maranhão Horse Season

Além de fiscalizar os animais participantes da competição, a Aged aproveitou a oportunidade para divulgar estratégias de prevenção de doenças dos equídeos.

Além de fiscalizar os animais participantes da competição, a Aged aproveitou a oportunidade para divulgar estratégias de prevenção de doenças dos equídeos.

O público que chega para assistir às provas da I Copa Haras 4 Irmãos, que vai de 18 a 21 de janeiro, na Raposa, pode não imaginar que, muito antes de os cavalos entrarem em ação, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA) faz um trabalho minucioso de fiscalização sanitária para impedir a propagação de doenças de grande impacto econômico para a equideocultura, como mormo e anemia infecciosa equina (AIE).

“Durante um evento agropecuário, ocorre a reunião de animais procedentes de diversas propriedades, com manejos sanitários diferenciados. Por isso, o risco de transmissão de doenças aumenta. A AIE e o mormo, por exemplo, são enfermidades altamente transmissíveis. A atuação da Aged é para impedir que animais positivos para essas doenças adentrem na propriedade e fiquem em contato com animais saudáveis”, explica a veterinária da Aged/MA Clidilene Alencar.

Durante o primeiro dia da Copa Haras, que também faz parte da programação da Maranhão Horse Season, os veterinários da Aged/MA inspecionaram cerca de 130 equinos e, até o dia 21, quando chegarão ao Haras 4 Irmãos novos animais para o II Leilão Haras 4 Irmãos e Convidados, mais de 42 cavalos de alto padrão genético também devem passar pela inspeção da Agência.

De acordo com a veterinária, o trabalho dos fiscais agropecuários vai desde o exame clínico dos animais; a fiscalização do trânsito no local do evento, até a conferência da documentação sanitária exigida pela legislação, como Guia de Trânsito Animal (GTA), exames negativos para AIE e mormo, e carteira de vacinação contra influenza equina ou atestado de sanidade animal.

“A I Copa do Haras 4 Irmãos está ocorrendo de forma tranquila. Os animais participantes estão com toda a documentação atualizada e em condições sanitárias satisfatórias”, informou Clidilene.

Educação sanitária

Além do trabalho de fiscalização, a Aged/MA também ministrou uma palestra sobre o controle de zoonoses equinas, às 15h, do dia 17. “Tivemos a oportunidade de aprofundar informações sobre AIE e mormo e divulgar as estratégias do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos para prevenir, controlar e erradicar essas enfermidades que não possuem tratamento nem vacinas”, explicou a veterinária.

Maranhão investe em intercâmbio para aprimorar fiscalização de eventos agropecuários

No centro, a veterinária da Aged Maria Cristina Dutra, ao lado do veterinário da Adagri e do Responsável Técnico da Vaquejada de Maranguape.

No centro, a veterinária da Aged Maria Cristina Dutra, ao lado do veterinário da Adagri e do Responsável Técnico da Vaquejada de Maranguape.

Com o objetivo de avaliar o modelo adotado por outras instituições de defesa agropecuária, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA) enviou duas veterinárias para um intercâmbio técnico na Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri). De 15 a 18, as responsáveis pelo setor de aglomerações e fiscalizações móveis de trânsito acompanharam a dinâmica de fiscalização da 10ª Vaquejada de Maranguape – Fazenda Veneza.

Atualmente, a fiscalização e o controle zoossanitário de exposições, feiras, leilões e outras aglomerações de animais no Maranhão é regulamentada pela Portaria Nº 162/1994, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que delega a fiscalização ao órgão de defesa sanitária animal do estado. Até junho de 2016, a Aged já fiscalizou 114 eventos, entre vaquejadas, cavalgadas, leilões e exposições.

No final de 2015, o Ceará alterou esse cenário e apostou na extensão do Serviço Veterinário Oficial com a aprovação de uma legislação estadual que transferiu a responsabilidade para a iniciativa privada. Com essa medida, a fiscalização na porta de entrada e durante toda a realização do evento passou a ser competência de um Responsável Técnico – obrigatoriamente inscrito no Conselho de Classe do Ceará e credenciado junto à Agência – contratado pelo proprietário ou promotor de evento.

“Segundo o corpo técnico da agência, tal medida foi pensada e implantada devido à grande quantidade de eventos cadastrados e autorizados pela Adagri, que foram cerca de 920 eventos, somente em 2015, e ao reduzido corpo de fiscais disponíveis para execução do trabalho”, conta a responsável pelas fiscalizações móveis de trânsito agropecuário da Aged, Michelle Lemos.

Ao longo de quatro dias, Michelle e Maria Cristina Cavalcante Dutra, examinaram a legislação do Ceará e avaliaram, na prática, a nova logística de fiscalização em uma vaquejada, que aconteceu de 16 a 18, no município de Maranguape.

“O Ceará é um exemplo de sucesso. Nosso próximo passo será a elaboração de um projeto adaptado à realidade do Maranhão. Embora tenhamos consciência de que todo esse trabalho não depende somente da vontade de fazer da Aged e, sim, de uma base sólida em Educação Sanitária e o envolvimento com responsabilidade de todos os agentes envolvidos”, destacou Maria Cristina Dutra.

Mais de 250 animais são fiscalizados em Vaquejada de Colinas

vaquejada-nova-colinas

Equipe da Aged, no local do evento, verificando Guias de Trânsito Animal.

Para a liberação do Parque do Povão e realização da Vaquejada de Nova Colinas, a equipe da Unidade Regional de Balsas da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) realizou a vistoria das instalações do evento e fiscalizou 200 bovinos e 72 equinos, no dia 15.

Os fiscais estaduais agropecuários e técnicos em fiscalização agropecuária dos municípios de Balsas, Fortaleza dos Nogueiras e Nova Colinas realizaram uma fiscalização conjunta, onde verificaram as Guias de Trânsito Animal (GTA) de entrada dos bovinos e equinos que participaram do evento. No caso dos equinos, também foram verificados os exames de Anemia Infecciosa Equina (AIE), Mormo e o Atestado de Vacinação contra Influenza Equina, documentação exigida de acordo com a legislação federal. “Durante todo o evento abordamos e inspecionamos os equinos que vieram, principalmente, do Pará”, explica o chefe da Unidade Regional de Balsas, Eugênio Pires.

A fiscalização de aglomerações, como é chamada tecnicamente a inspeção que se faz em vaquejadas, leilões, exposições e outros eventos, é uma prática obrigatória e fundamental para preservar a sanidade dos animais do estado. Em 2015, a Aged esteve presente em 201 eventos registrados no estado, fiscalizando mais de 100 mil bovinos, 10 mil equinos, entre outros animais.

Após a vistoria das instalações da vaquejada em Nova Colinas, a equipe da Aged constatou que tudo estava dentro das leis e foi dada autorização para que o evento acontecesse dentro da normalidade.