PNSE

Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos

Estratégias: Para prevenir, controlar ou  erradicar doenças dos equídeos, o PNSE promoverá as seguintes atividades:

I – educação sanitária;

II – estudos epidemiológicos;

III – fiscalização e controle do trânsito de equídeos;

IV – cadastramento, fiscalização e certificação sanitária de estabelecimentos; e

V – intervenção imediata quando da suspeita ou ocorrência de doença de notificação obrigatória.

Vigilância epidemiológica: São fontes de informação do sistema de vigilância epidemiológica para doenças dos equídeos:

I – o Serviço Veterinário Oficial, por meio das atividades de:

  1.  inspeção em matadouros;
  2.  fiscalização de estabelecimentos;
  3. fiscalização de eventos pecuários;
  4. fiscalização do trânsito de animais; e
  5. monitoramentos soroepidemiológicos; e

II – a comunidade, representada por:

  1. proprietários de animais e seus prepostos;
  2. médicos veterinários, transportadores de animais e demais prestadores de serviço agropecuário;
  3. profissionais que atuam em laboratórios de diagnóstico veterinário, instituições de ensino ou pesquisa agropecuária; e
  4. qualquer outro cidadão.

São as doenças constantes da lista da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), além de outras que possam comprometer o rebanho equídeo nacional, a economia, a saúde pública ou o meio ambiente.

Qualquer membro da comunidade deve comunicar, imediatamente, toda suspeita ou ocorrência de doenças de notificação obrigatória à unidade mais próxima do órgão executor das atividades de Defesa Sanitária Animal.

Os esforços para prevenir a introdução de novas doenças no Brasil concentram-se no controle das importações de animais vivos, de material de multiplicação animal e de produtos com potencial de transmissão dos agentes etiológicos.

– Situação sanitária brasileira:  A ocorrência das doenças de notificação obrigatória no Brasil, e demais países membros da OIE, está disponível no Sistema Mundial de Informação Zoossanitária da Organização Mundial de Saúde Animal (WAHID/OIE) http://www.oie.int/wahis_2/public/wahid.php/Wahidhome/Home).

Relação atual das unidades federativas onde se considera a ocorrência de Mormo: Alagoas, Amazonas, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima e Sergipe.


Responsável Técnica pelo Programa: Médica Veterinária: Sonivalde Silva Santana – Fiscal Estadual Agropecuário, Mestre em Defesa Sanitária Animal.

Contato: (98) 98883-0529

equideosaged@gmail.com