Dezenove abrigos de morcegos hematófagos são monitorados na região metropolitana de São Luís

Captura de morcegos em zona rural de São Luís.

Captura de morcegos em zona rural de São Luís.

De 02 a 06, a equipe da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) iniciou uma busca por novos abrigos de morcegos hematófagos e realizou o monitoramento de 19 focos já cadastrados em São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar.

As ações de busca ativa, cadastramento e monitoramento de abrigos de morcegos acontecem como parte do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), que padroniza as medidas de controle da doença e promove a capacitação permanente dos profissionais que as executam. “Com essas ações, fazemos a vigilância em propriedades rurais para a prevenção da raiva transmitida por morcegos hematófagos nos quatro municípios”, explicou a coordenadora do programa, Sonivalde Silva.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no Brasil, a principal espécie animal transmissora da raiva ao ser humano continua sendo o cão, embora os morcegos estejam cada vez mais aumentando a sua participação. No caso de bois, cavalos e outros animais herbívoros, a espécie de morcego Desmodus rotundus é apontada como a principal responsável pela transmissão do vírus.

Por isso, além de recomendar a vacinação de herbívoros contra a doença, a Aged busca e monitora lugares onde estes morcegos possam se alojar, como grutas, ocos de árvore, casas abandonadas, pontes, bueiros, entre outros. Na zona rural de São Luís, no povoado Jacú, a equipe encontrou cerca de 25 morcegos em uma casa abandonada. Destes, sete foram capturamos e tratados com pasta anticoagulante. “Como eles têm o hábito de se lamber, em poucos dias, um dos morcegos que capturamos pode matar de 15 a 20 outros morcegos”, explica a coordenadora.

Posteriormente, a equipe deve retornar ao lugar para verificar se algum dos animais permanece vivo. O Setor de Raiva, juntamente com a Unidade Regional de São Luís da Aged, realizará esse trabalho durante todo o mês de maio.

Casos de raiva

Segundo dados da Aged, em 2013 e 2014, registraram-se 27 casos positivos de raiva em herbívoros no Maranhão. Em 2015, o número foi reduzido para 10 casos. Desde esse ano, o governo estadual tem intensificado suas ações de controle da doença, por meio das portarias Nº 602/2015 e 687/2015 da Agência. Com elas, se tornou obrigatória a vacinação antirrábica anual de bovinos e bubalinos, a partir do primeiro dia de vida, em 43 municípios maranhenses.