Cresce incentivo para que Maranhão se torne área livre de peste suína clássica

Veterinários durante execução do plano de contigência de peste suína clássica, no simulado realizado em Cananéia.

Veterinários durante execução do plano de contigência de peste suína clássica, no simulado realizado em Cananéia.

Após a criação do bloco pecuário do Nordeste e Pará para alcançar o status sanitário de área livre de peste suína clássica (PSC) até 2019, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) têm intensificado a capacitação de veterinários para atuação em caso de circulação do vírus causador da cólera dos suínos. De 08 a 12 de agosto, a responsável pelo Programa Nacional de Sanidade Suídea no estado (PNSS), Teresinha de Lisieux Castro, e o epidemiologista da Aged Lauro Queiroz, participaram de uma simulação de situação emergencial, em Cananéia (SP).

A PSC é uma doença de importância econômica, que traz perdas aos produtores e restringe o comércio de suínos e seus produtos. No Brasil, apenas 16 estados e o Distrito Federal possuem reconhecimento internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como áreas livres da doença. Como consequência, os estados que ainda não alcançaram esse status sanitário não ultrapassam 10% da produção nacional e não têm acesso ao mercado nacional e internacional. No Maranhão, por exemplo, 99,41% da produção do estado são comercializadas internamente.

“O treinamento em Cananéia, além de tecnicamente fundamental, foi muito motivador e mostra que alavancamos na busca pela adequação às exigências da OIE. A defesa animal está avançando no Maranhão e temos sentido o apoio do Mapa”, defende Lisieux.

Durante uma semana de capacitação, os dois veterinários da Aged passaram por um simulado em que tinham que identificar um foco de peste suína clássica e fazer a contenção da doença, conforme o plano de contingência empregado nacionalmente. “Foi um dos primeiros treinamentos desse tipo realizado, onde tivemos que revisar exaustivamente todos os procedimentos para atendimento a um foco de doença”, revelou a veterinária.

Cadastros

A capacitação também serviu como uma preparação para o estudo de prevalência que está previsto para o segundo semestre de 2017, nos estados de Pernambuco, Ceará, Alagoas, Rio Grande do Norte, Maranhão, Piauí e Pará. Atualmente, a Aged desenvolve uma campanha de conscientização dos produtores de suínos quanto à necessidade de cadastrar suas propriedades. “Pelos dados do IBGE, nosso rebanho suíno ultrapassa um milhão de animais, mas, em nosso sistema, temos apenas 52 granjas de suínos cadastradas, com uma população de 28.476 animais”, destaca Lisieux.