AGED realizou ações de combate ao abate irregular de carne na regional de Chapadinha

Por Suyane Scanssette
23/12/2021     10:47

Em uma operação conjunta com a Vigilância Sanitária Estadual (SUVISA), a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED/MA) realizou nos municípios de Magalhães de Almeida, Santa Quitéria, São Bernardo e Santana do Maranhão, pertencentes a Regional de Chapadinha, uma ação de combate ao abate clandestino de animais. A ação de fiscalização realizou a interdição dos pontos irregulares de abate e de comercialização inadequada nesses municípios.

A ação faz parte das metas estabelecidas no Plano Estratégico de Regularização dos Estabelecimentos de Produtos de Origem Animal, elaborado pela AGED. Esses municípios integram a Região I, definida como a área que possui estabelecimentos com plantas frigoríficas aprovadas em um Serviço de Inspeção Oficial. 

Na cidade de São Bernardo foi realizada reunião com o Ministério Público, Vigilâncias Sanitárias Estadual e Municipal, magarefes, açougueiros, proprietário de um dos frigoríficos registrados no SIE/MA e a AGED para o estabelecimento de estratégias e compromissos entre os vários setores que representam a cadeia da carne nessa região, com o objetivo de combater o abate irregular de animais em locais sem Serviço de Inspeção Oficial e no comércio, assegurar a conservação da carne em balcões refrigerados, conforme determina a legislação.

A coordenadora de Inspeção de Produtos de Origem Animal da AGED, Clidilene Alencar explicou que em várias localidades do Maranhão a população ainda tem o hábito de comprar carne e outros alimentos sem procedência, o que estimula a manutenção da clandestinidade. “Infelizmente, também se observa ainda a rejeição pela carne resfriada. Muitos entendem que nessa condição o alimento não tem frescor e é menos saboroso, o que é um mito”, esclareceu.

A conservação da carne e de qualquer outro produto de origem animal, através do frio, além de cumprir o que determina a legislação sanitária, traz muitos benefícios porque retarda todo o processo enzimático que promove a deterioração da carne e a proliferação de microrganismos que podem causar doenças a quem consome o alimento que foi manipulado ou transportado sem as condições higiênico-sanitárias adequadas.

Por isso, a AGED sempre alerta ao consumidor a adquirir alimentos com o selo do Serviço de Inspeção, pois essa é a garantia de qualidade do produto, demonstrando a sua procedência e que passou por todos os padrões sanitários exigidos por lei para a manutenção da saúde pública.