AGED realiza ação de controle da raiva de herbívoros em chapadinha

A raiva é uma doença aguda do Sistema Nervoso Central, que pode acometer todos os mamíferos, inclusive os seres humanos, caracterizada por uma encefalomielite viral e 100% letal, quando do aparecimento dos sintomas. É considerada uma doença importante pelas grandes perdas econômicas causadas pela morte de animais e seres humanos. O Maranhão possui registros positivos da doença em herbívoros tais como: bovinos, equinos, asininos e também em humanos. A maior incidência de casos de raiva em herbívoros nos últimos anos se concentra nas regiões tocantina e central do Estado.

Técnicos da AGED do setor de Doenças Nervosas, Samuel Sousa Silva, Denilson Góes Freitas e Técnicos da Unidade Regional de Chapadinha e USALV de Araioses,Cleide Selma Alves Santana, Jocynê Lima de Castro Branco e Francisco Fonseca dos Santos.

Técnicos da AGED do setor de Doenças Nervosas, Samuel Sousa Silva, Denilson Góes Freitas e Técnicos da Unidade Regional de Chapadinha e USALV de Araioses,Cleide Selma Alves Santana, Jocynê Lima de Castro Branco e Francisco Fonseca dos Santos.

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED), por meio do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH), desenvolve ações específicas de controle da doença por meio de fiscalização da vacinação antirrábica, controle da população de morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus, vigilância epidemiológica e educação sanitária, além de contar com parcerias com a Secretaria de Estado da Saúde, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e Prefeituras Municipais.

Nesta Semana, técnicos da AGED atenderam uma notificação de agressão em animais por morcegos hematófagos em propriedades rurais de Chapadinha, na atividade foram capturados 03 morcegos hematófagos e passado a pasta anticoagulante, vale lembrar que um morcego tratado com essa pasta elimina mais outros 20(vinte). Na ocasião, os técnicos realizaram também treinamento com as equipes das ULSAV de Chapadinha e Araioses para desenvolver as atividades do PNCRH-MA em relação ao controle da população de morcegos hematófagos, como captura de morcegos, cadastramento e monitoramento de abrigos.

De acordo com a responsável pelo Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH) na Aged/MA, Sonivalde Santana, essa atividade reforça o trabalho de controle da população de morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus ,principal transmissor da raiva dos herbívoros e consequentemente contribui no controle da raiva dos herbívoros no Estado. “Realizamos mais uma ação de controle da população de morcegos, visando fortalecer as atividades do Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros e mantendo o controle da raiva no Maranhão.” Disse

Vacinação

Desde o dia 16 de janeiro, a vacinação de animais suscetíveis à raiva dos herbívoros passou a ser exigida somente em casos de foco. A medida entrou em vigor após a publicação da Portaria Nº 006, de 10 de janeiro de 2017, da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged/MA), no Diário Oficial do Estado. Segundo a Agência, a decisão foi tomada em virtude dos resultados positivos obtidos no combate à raiva dos herbívoros nos últimos dois anos.

A vacinação anual de bovinos e bubalinos contra raiva era obrigatória em 43 municípios maranhenses desde a publicação das portarias Nº 602/2015, de 10 de agosto de 2015, e Nº 687/2015, de 02 de Setembro de 2015. Açailândia, Pinheiro e Zé Doca estavam entre os municípios onde as portarias vigoravam. Na prática, a obrigatoriedade implicava a restrição do trânsito de animais não vacinados.

A responsável pelo Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros (PNCRH) na Aged/MA, Sonivalde Santana, ressalta ainda que “É importante aumentar a vigilância, portanto precisamos da ajuda dos criadores, em comunicar nos escritórios da AGED, casos suspeitos de doenças nervosas em seu rebanho. Desta forma nossas equipes poderão agir de forma mais rápida para que a doença não se dissemine para outras áreas. O criador pode vacinar seus animais mesmo não sendo em áreas de foco, caso ele vacine, deve comprovar a vacinação nos escritórios da AGED onde sua onde sua propriedade está cadastrada.” Disse