AGED orienta quanto ao uso correto e seguro de agrotóxicos

Por Suyane Scanssette
11/08/2021 14:28

Ao plantar uma cultura seja de espécie frutífera, hortaliças, tubérculos, grãos, dentre outros, o produtor espera pelo bom desenvolvimento da planta para uma colheita de alimentos viçosos. Entretanto, dependendo de condições como do solo, por exemplo, algumas culturas podem ser acometidas de pragas que trazem prejuízos econômicos, levando o agricultor a utilizar métodos de controle, sejam alternativos ou através do uso de agrotóxicos.

Os agrotóxicos são os produtos de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou plantadas e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos.

Esses produtos estão classificados quanto ao teor toxicológico em cinco categorias, com suas cores que devem conter nos rótulos das embalagens. A categoria 1 são “produtos extremamente tóxicos” e apresentam faixa vermelha; a categoria 2 são “produtos altamente tóxicos” e apresentam faixa vermelha; a categoria 3 são “produtos moderadamente tóxicos” e apresentam a faixa amarela; a categoria 4 são “produtos pouco tóxicos” e apresentam a faixa azul e a categoria 5 são “produtos improváveis de causar dano agudo” e também apresentam faixa azul no rótulo. Além dessas cinco categorias, existem também produtos com a faixa verde no rótulo, que são “produtos não classificados”.

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED/MA) é o órgão responsável no Estado a fazer o cadastro de produtos agrotóxicos, o registro de estabelecimentos que comercializam os agrotóxicos ou que prestam serviços na aplicação destes produtos, além de realizar a fiscalização nas revendas de produtos agropecuários, nos Postos e Centrais de recebimento de embalagens vazias e propriedades rurais para averiguação do uso correto e seguro dos agrotóxicos.

No ano passado, a AGED fiscalizou 1.141 estabelecimentos e 593 propriedades rurais. A principal irregularidade encontrada foi a falta de registro para a comercialização de agrotóxicos.

“A atividade de fiscalização é importante, sendo uma carreira de Estado inerente ao Fiscal Estadual Agropecuário, seja engenheiro agrônomo ou florestal. No âmbito geral, esta atividade promove o bem-estar social colaborando com a produção de alimentos seguros para o consumidor bem como auxiliando na preservação ambiental“, explicou o coordenador de Inspeção Vegetal da AGED, Luís Roberto Leite.

A AGED informa que todo produto agrotóxico só pode ser comprado mediante a apresentação da receita agronômica. Esse documento é emitido por técnico legalmente habilitado, contendo orientações relacionadas à: quantidade e época de aplicação; cultura indicada; período de carência; tríplice lavagem; destino das embalagens vazias e informações de proteção do trabalhador e do meio ambiente.

Além disso, o produtor deve ter cuidado na hora de transportar o agrotóxico. Deve ser transportado de maneira segura e nunca ser transportado junto com pessoas, alimentos ou outras mercadorias. A nota fiscal deve acompanhar o produto.

Aplicação nas lavouras

O uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) é obrigatório e necessário para a preservação da saúde do aplicador. É composto de: máscara protetora, óculos, avental, luvas impermeáveis, protetor para cabeça, botas de borracha, camisa de mangas compridas e calças de material repelente à calda tóxica.

Antes de aplicar o agrotóxico, deve-se observar o seguinte: ler e seguir as instruções da receita agronômica e a bula do produto; regular corretamente o equipamento de aplicação para evitar desperdício de produto e contaminação do aplicador e do meio ambiente; obedecer ao intervalo de segurança (carência) e ao intervalo de reentrada de pessoas e animais na área tratada; pulverizar nas horas mais frescas do dia e a favor do vento; não comer, beber ou fumar durante a aplicação dos produtos; menores de 18 anos, idosos e gestantes não devem manusear ou aplicar agrotóxicos e usar EPI’S, desde o preparo da calda até o final da aplicação.

Acidente e intoxicação podem ocorrer se não for observado o que se pede na bula ou receituário. Nosso organismo pode absorver o agrotóxico pela boca (ingestão), pela pele (contato) ou respiração (inalação).

Em casos de acidentes deve-se: lavar a parte do corpo atingida com bastante água e sabão (lavar os olhos somente com água); afastar a vítima da fonte de contaminação (roupas e local) e providenciar imediatamente o atendimento médico, levando o rótulo ou a bula do agrotóxico.

Acompanhe nosso trabalho também nas redes sociais:

Instagram: www.instagram.com/aged.ma

Facebook: www.facebook.com/aged.ma 

Twitter: www.twitter.com/Aged_Maranhao