Aged inicia levantamento de pragas nas culturas de soja e cana-de-açúcar na região dos cocais

Fiscais avaliam depósito de embalagens de agrotóxicos na empresa rural TG Agroindustrial.

Fiscais avaliam depósito de embalagens de agrotóxicos na empresa rural TG Agroindustrial.

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária, por meio da Unidade Regional de Caxias, iniciou o levantamento fitossanitário em propriedades rurais dos municípios de Aldeias Altas e Afonso Cunha, na segunda (16), com o objetivo de detectar a presença da praga Amaranthus palmeri, que pode competir com as culturas de soja e milho. Na ocasião, os fiscais também realizaram o georreferenciamento da área, atualizaram o cadastro das propriedades e fiscalizaram o uso e o descarte de embalagens de agrotóxicos.

No levantamento que aconteceu na propriedade da TG Agroindustrial, situada em Aldeias Altas, e na Fazenda Bela Vista, em Afonso Cunha, os fiscais agropecuários da Agência inspecionaram cerca de 8.500 hectares de área cultivada com cana-de-açúcar e, 4 mil hectares, com soja. “Com essas ações, buscamos orientar o produtor quanto aos métodos aceitos pela legislação para combate ou controle das pragas das principais culturas de importância nacional e estadual, como as pragas da soja, da banana, entre outras”, explica o coordenador de Defesa Vegetal da Aged, Hamilton Cruz.

Além da Amaranthus palmeri, principal praga do algodoeiro nos Estados Unidos que também pode afetar a cultura da soja, os fiscais investigaram se havia sinais de outras pragas com potencial de dano econômico. No caso da cultura da cana-de-açúcar, por exemplo, uma doença importante é a Ferrugem Alaranjada (Puccinia kuehnii). Nenhum sintoma dessas doenças foi observado durante o levantamento nas propriedades.

Agrotóxicos

Durante as ações de levantamento fitossanitário, a Aged também fiscaliza o uso e a destinação correta de embalagens vazias de agrotóxicos. Os fiscais observam se os produtos estão sendo armazenados de forma correta, suas datas de validade e se as embalagens vazias foram submetidas ao processo de tríplice lavagem, perfuração e armazenamento temporário. “A programação da Diretoria Vegetal é fazer essas fiscalizações, especialmente de agrotóxicos, como rotina, em uase todas as Unidades Regionais”, revela Hamilton.

A fiscalização dos agrotóxicos é uma das prioridades da Aged por ter implicação direta na produção de alimentos seguros, na saúde do agricultor, e no meio ambiente. “Observa-se que as ocorrências passíveis de punição legal têm diminuído ao longo dos anos e isso se deve ao trabalho realizado pelas equipes de fiscalização, bem como à conscientização através das ações de Educação Sanitária”, defendeu o coordenador.