Aged evita a utilização de mais de 500 litros de agrotóxicos vencidos

 Agrônomo da Aged durante desinterdição de agrotóxicos em propriedade rural.

Agrônomo da Aged durante desinterdição de agrotóxicos em propriedade rural.

A Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Aged) acompanhou, nos dias 19 e 20, o recolhimento de 40 litros de agrotóxicos, que tinham sido interditados por estarem fora da data de validade, em duas propriedades rurais e uma revenda, nos municípios de Caxias, Timon e Duque Bacelar. Ao longo do primeiro semestre, a Unidade Regional Caxias já desinterditou para a destinação correta 75 litros de defensivos agrícolas vencidos, mas 560 permanecem interditados.

Conforme explica o agrônomo Francisco Rodrigues, compete à Aged fiscalizar o uso, a comercialização e a destinação de agrotóxicos no estado. “O trabalho de fiscalização de agrotóxicos vem se tornando cada vez mais importante, na medida em que possibilita a retirada de circulação de produtos impróprios para o uso, e os números, em Caxias, vêm demonstrando isso”, defende. Atualmente, nos municípios de Parnarama, São João do Sóter, Coelho Neto e Timon, existem 560 litros de agrotóxicos fora da data de validade interditados.

“O agrotóxico vencido é impróprio para o uso porque ele não trata a cultura, não consegue matar a praga, logo, não vai ter a eficiência esperada. E, mesmo sem ter a eficiência esperada, continua sendo um produto tóxico ao homem e contaminante para o meio ambiente”, esclarece a coordenadora de Inspeção Vegetal, Filomena Antonia de Carvalho.

Destinação

Quando um agrotóxico vencido é identificado pela Aged, o produto é interditado e seu fabricante é notificado para que realize o recolhimento. Em seguida, o fabricante deve agendar uma data para desinterdição do produto com a Agência, para que possa ser feita a retirada. “De acordo com a legislação federal e estadual, compete a quem fabricou o produto desativar a molécula. Somente a indústria tem competência para dar o destino adequado. Nós interditamos o produto na propriedade ou no comércio e o fabricante tem até 120 dias para recolher e dar o destino”, informa Filomena.