Ações de combate à raiva são intensificadas em Caxias

Atividades educativas e vigilância em propriedades rurais estão sendo realizadas desde o mês de julho pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária

IMG-20191118-WA0010

As ações de combate à raiva estão sendo intensificadas em Caxias desde o mês de julho, após a identificação de um caso positivo da doença em uma raposa. As atividades educativas e de vigilância em propriedades rurais estão sendo realizadas pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Aged/MA), por meio da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV), em parceria com a Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ) do município.

Uma das atividades mais recentes ocorreu segunda-feira (18), quando foi ministrada uma palestra para 16 agentes de combate a endemias, que atuam em várias comunidades do município. A fiscal Estadual Agropecuária e Médica Veterinária da ULSAV Caxias, Larissa de Carvalho Bessa, orientou os agentes quanto à prevenção e identificação de casos suspeitos, para que eles possam levar mais informações aos moradores da região.

No mês de outubro, quando houve a confirmação da morte de um bovino causada pela raiva, os órgãos de saúde e defesa agropecuária montaram estratégias para atuar nas 19 comunidades onde foram relatados casos de ataques de raposas a humanos e animais. Além de palestra sobre o Plano Nacional de Combate à Raiva Humana, foram realizadas blitz educativa, em parceria com servidores da UVZ Caxias e com a Polícia Rodoviária Federal e vigilância ativa em propriedades rurais.

Segundo o médico veterinário e fiscal agropecuário da Aged em Caxias, Eduardo Leite Braga, é muito importante esse esforço conjunto para envolver a comunidade na prevenção e combate à raiva. “Ações dessa natureza são essenciais, pois, de posse de conhecimento, a população pode participar ativamente com medidas de prevenção e controle de enfermidades. Dessa forma, chegamos juntos ao objetivo final que é a saúde pública”, destacou.

A raiva é uma doença causada pelo vírus do gênero lyssavirus, que atinge mamíferos, inclusive os humanos, podendo levar a morte. A transmissão ocorre por meio da saliva dos animais infectados. Após a transmissão – que pode ocorrer pela mordida, arranhadura ou mesmo a lambida do animal -, há um período de incubação de até 45 dias no ser humano, quando começam a aparecer os sintomas. Entre as ações para prevenir a raiva estão a imunização de cães e gatos – realizada pelas unidades de controle de zoonoses – e de bovinos e bubalinos, além da ação de captura de morcegos hematófogos de responsabilidade da Aged.

Principais sintomas:

– mal-estar geral;

– pequeno aumento de temperatura;

– anorexia;

– cefaleia;

– náuseas;

– dor de garganta;

– entorpecimento;

– irritabilidade;

– inquietude;

– sensação de angústia.

Fonte: Ministério da Saúde

 

Acompanhe nosso trabalho também nas redes sociais:

Instagram: www.instagram.com/aged.ma

Facebook: www.facebook.com/aged.ma 

Twitter: www.twitter.com/Aged_Maranhao